domingo, 16 de setembro de 2012

omo lava mais branco




                                                        o lixivia ....   azul




ARBITRAGEM
Auxiliar diz que lance do golo de Maicon na Luz «foi momento de desconcentração»
Ricardo Santos, árbitro assistente que validou o golo de Maicon no Benfica-FC Porto (2-3) da última época, diz que a decisão resultou de um «momento de desconcentração» e lamenta que tenha tido «influência direta no resultado».








O socio Benfiquista  e mafioso azul/verde




ARBITRAGEM
Proença e o golo de Maicon na Luz: «Houve mais erros e não apenas meus»
Pedro Proença lamenta que o polémico golo de Maicon no Benfica-FC Porto (2-3), da última época, «seja imediatamente lembrado» como um dos lances marcantes, pela negativa, no conjunto das suas prestações





a mafia da fruta nos apitos






Finalmente!

2012-09-16

Talvez influenciado pelo ambiente cúmplice da AF do Porto presidida por um dos membros da dinastia Pinto, um dos mais badalados fiscais de linha dos últimos tempos – Ricardo Santos de seu nome -, falou pela primeira vez em público sobre o celebérrimo erro que doou o último campeonato ao principal clube da Associação anfitreã.
Fiquei então a saber que ‘foi uma aprendizagem’, ficando tal a dever-se a ‘um momento de desconcentração, um erro de avaliação do lance’. Como? E eu, na minha ingenuidade a pensar que ‘a aprendizagem’ tinha sido concluída na altura em que frequentou o curso. Pelos vistos estava enganado! E num lance capital, de bola parada, com dois jogadores adversários plantados em fora-de-jogo durante imenso tempo, como se justifica ‘um erro de avaliação do lance’ e ‘um momento de desconcentração’?
Há momentos em que a grande vantagem é ficar calado, como aliás tinha estado até ontem. Ao tentar justificar-se sem justificações, Ricardo Santos vai ter de arrostar essa inércia decisiva até ao fim da sua carreira e infileirar na categoria dos ‘rapazinhos de cócoras’. Foi um problema nosso e agora vai continuar a ser dele…

mais um alerta do Anti-Benfica.COM

aqui:http://www.anti-benfica.com/__blog_artigo.php?id=3921



por karlos






Faz de conta?

16 de Setembro de 2012



Inúmeras vezes aqui temos abordado aquilo que se nos afigura mais ou menos claro; no Benfica parece haver um défice de comunicação evidente que se revela nos aspectos mais comezinhos mas que todos em conjunto vão causando rombos porventura irreparáveis na estrutura encarnada. Quem acompanha a imprensa diariamente constata esse grave handicap. Não basta apenas identificar os adversários e as suas estratégias nalguns casos demasiado óbvias. É preciso que em cada dia e sempre que se torne necessário, responder cabalmente às suas investidas, às suas mentiras e às suas especulações. Mesmo que em casos extremos seja preciso fazê-lo diariamente.

Entre os benfiquistas, é praticamente unânime a filosofia que o Benfica, por questões muito variadas, ao longo das últimas décadas, foi gradualmente perdendo influência em todos os órgãos de comunicação social, sendo hoje consensual que apenas uma escassa minoria de benfiquistas ocupa espaços nos media, sendo uma pequena parte preenchida por jornalistas e opinadores independentes e a larga maioria de cariz vincadamente anti-benfiquista. Essa distribuição de peças faz com que vários espaços sejam ocupados diariamente por elementos hostis ao emblema encarnado, criticando e especulando sobre temas da actualidade benfiquista sem que encontrem oposição em termos institucionais mas apenas dos vários foruns que preenchem as redes sociais.

Alguma coisa não bate certo. Ao ser permitida a livre actuação desses elementos em que podem sem receio debitar as maiores aleivosias e os maiores disparates sem serem desmentidos ou contraditados, está-se a cometer um erro tremendo e cujas consequências podem revelar-se danosas para a componente desportiva nas suas várias vertentes com reflexos evidentes no dia a dia das equipas das diversas modalidades a começar no futebol, numa altura da época em que todos os cenários são passíveis de serem atingidos. E sabe-se, por experiência, como é importante começar bem porque a componente psicológica é das mais vitais para manter a filosofia de vitória e alcançar o sucesso.

Mau grado o claro défice de influência comunicacional nos media, o Benfica tem actualmente ao seu dispôr instrumentos mais do que suficientes para poder combater aquele handicap. Dispõe de um canal televisivo em permanência durante as 24h, de um site, de um jornal semanal, dos actuais instrumentos das redes sociais, e de uma dedicada blogoesfera. É certo que no seu interior também alberga vozes discordantes justificando a tradicional democraticidade benfiquista que é a sua imagem de marca, e demonstrativa de vitalidade e da pluralidade da imensa mole dos seus adeptos e simpatizantes. Independentemente dos excessos protagonizados por aqueles que têm alguma dificuldade em compreender que o insulto jamais se deveria sobrepôr ao debate de ideias por mais antagónicas que sejam.

Nesse contexto é-nos difícil compreender e ainda mais aceitar, que por força desse défice de comunicação (numa perspectiva global da estrutura), se deixem alastrar assuntos que sendo inevitáveis, poderiam ser esclarecidos ou minimizados no seu ponto de eclosão, de forma a não permitir que qualquer opinador de discurso encomendado pudesse especular à vontade sobre um determinado tema, confundindo e convencendo os benfiquistas mais permeáveis e menos atentos, que na ausência de intervenção da estrutura tende a aceitar de uma forma implícita, não a verdade em si (que desconhece), mas apenas as estórias especulativas que lhe querem impingir partindo de pressupostos em que alguma substância de verdade existe para tornar o discurso mais verosímil.

Dissemos no lançamento deste espaço que um dos grandes objectivos era que o Benfica pudesse vencer a batalha da informação, sem o qual era muito difícil enfrentar a contra-informação que nos atinge diariamente e tivémos o ensejo de sensibilizar os responsáveis. Mantemos esse desiderato, reconhecendo sem grande esforço que apesar de ter havido uma evolução positiva, estamos aquém do desejável e continuamos a registar lacunas preocupantes que não só não esclarecem os adeptos e simpatizantes que continuam a lutar contra dúvidas existênciais, como animam os anti-benfiquistas que pululam pela comunicação social espalhando a especulação, a maledicência e até o caos.

Urge pois repensar toda esta problemática que tantos danos tem causado no tecido benfiquista, tendo em conta que se trata de uma matéria difícil e complexa e que não pode ser resolvida com um simples pestanejar de olhos. Todas as vertentes devem ser cuidadosamente equacionadas e tomadas as medidas que se afigurarem convenientes, tendo em conta que a actualidade não satisfaz minimamente e em que os resultados estão bem à vista de todos. Em qualquer estrutura (e a benfiquista não foge a esse diapasão) no exercício das suas actividades são sempre, inevitavelmente, cometidos vários erros ao longo dos seus mandatos.

Salvaguardando aqueles aspectos e pormenores de ordem interna que deverão manter-se sigilosos, importa actuar sempre que necessário, para esclarecer os seus sócios e simpatizantes e concomitantemente eliminar a possibilidade de especulação por parte daqueles a quem só interessa lançar a confusão. E, ao fazê-lo, não podendo eliminar por completo essas almas penadas, tem o condão de reduzir ao mínimo o impacto e convida os próprios adeptos e simpatizantes a darem uma ajuda nesse combate. E que pode ser preciosa!


aqui:http://www.anti-benfica.com/artigos-opiniao/faz_de_conta.php


Por karlos

Sem comentários: