domingo, 17 de abril de 2011

convem lembrar aos iluminados mafiosos ....

Em tempos de servidão
a sempre alguem que diz basta
     a sempre alguem que diz não...




Mais uma lembrança do Anti-Benfica.COM de uma qualidade sublime e de leitura sempre mas sempre  obrigatória ...


Cassetes em tempo de MP3 - Parte II


16 de Abril de 2011

«Não somos especialistas em túneis», disse Jorge Nuno Pinto da Costa. Na obrigação de justificar o falhanço redondo da época 2009/2010 o grande timoneiro tinha-o dito há um ano e desde então repetiu-o vezes, vezes, e vezes sem conta. Hoje foi mais uma vez.


Num fim-de-semana em que Vieira do outro lado do Atlântico prometeu respeitar o FC Porto mas sem contudo esquecer o passado, Pinto da Costa retomou a cassete perante uma comunicação social que rejubila com estes devaneios e shows bacocos do líder azul e branco.



Já aqui explicámos porque o faz, não é de todo inovador, é somente uma reedição da estratégia da repetição que a máquina de propaganda nazi usou para as lavagens cerebrais ao povo alemão, fabricando a verdade a que temos direito – a nossa!


Há piadinhas que por não terem sumo nenhum não pegam mesmo, como foi o caso dos trocadilhos em torno das «estrelas» de Luís Filipe Vieira que Jorge Nuno Pinto da Costa tentou ingloriamente inverter. Outras há que pegam, como foi o caso do já mundialmente famoso «Apagão». E outros mais remotos existem, caso do «Calabote» ou do «Clube do Regime».


Com uma massa adepta domesticada e fã do yes man, torna-se fácil e ainda mais se torna quando a comunicação social se presta a dar voz ao discurso bafiento, demodé e truculento do presidente azul e branco. Com o mote dado pela Torre das Antas seguem-se então os pombos-correio, os Moreiras, os Tavares, os Viegas, os Varelas, os Pintos, os Vianas entre outros, ávidos de prestar vassalagem.


Evidentemente há uma gritante falta de matéria prima nos media. Com o recente encontro FCPorto-V.Guimarães a contar para o campeonato de juniores a ficar marcado pela confusão ao intervalo no túnel de acesso aos balneários, algo que aliás foi perceptível do exterior, só mesmo com monólogos e jornalistas domesticados se pode continuar a vender esta cassete, que sendo repetitiva e de mau gosto, ainda consegue compradores.


Ora perguntem lá ao treinador vimaranense Armando Evangelista se não foi insultado e os seus jogadores agredidos por jogadores e staff do FCPorto? Já sabemos que este fim-de-semana o FC Porto recebeu e venceu o Sporting por 3-1 e está a uma vitória do título, deve ser isso apenas que importa...


Certo é que o simples facto de Pinto da Costa continuar com o seu discurso gasto e repetitivo e não haja vivalma que condene, só contribui para conclusões negativas; desde logo demonstra bem que a obsessão do anti-benfiquismo coabita na sua mente esclerosada, mas isso é lá com ele; por outro demonstra a falta de identidade do portismo actual mas isso só a eles lhes diz respeito; por último demonstra a pouca solidariedade para com grandes senhores, que remaram contra estratégias obscuras no futebol português, e isso já nos diz respeito.


Recordemos e acordemos;



- 1983; Interdição das Antas à entrada de um jornalista devido a declarações;



- 1985; Proibição da entrada de jornalistas do Record nas Antas;



- 20 de Novembro de 1988; Carlos Pinhão é barbaramente agredido em Aveiro, depois de jogo Beira Mar-FC Porto, por elementos ligados ao FCP. Processo judicial viria a ser arquivado por "falta de provas". No mesmo dia em que Carlos Pinhão é agredido, Martins Morim é também alvo da fúria dos adeptos do clube da cidade invicta. Entre os agressores destacava-se Tónio Maluco, conhecido adepto portista. O guarda Abel diz aos jornalistas que «era melhor do que cair por uma ribanceira»;



- Ainda em 1988; Jornalista agredido por um jogador na carrinha oficial do FC Porto;



- 5 de Março de 1989; Eugénio Queiroz, jornalista do jornal Record, é agredido no Estádio do Restelo por seguranças de Jorge Nuno Pinto da Costa. Violentamente empurrado para fora do corredor de acesso à cabine do FC Porto, o jornalista viria a apresentar queixa na PJ mas acabaria arquivada por "não se conseguir identificar os agressores";



- 24 de Setembro de 1989; João Freitas, jornalista de A Bola, é agredido barbaramente perto dos balneários do Estádio das Antas. Foi assistido no Hospital de Santo António e identificou Vergílio Jesus e um tal Armando entre os agressores. A queixa foi arquivada porque a testemunha principal, o agente da PSP Oliveira Pinto, disse que não se lembrava de nada;



- 4 de Outubro de 1990; Na véspera do jogo Portadown-FCPorto, Manuela Freitas do jornal Público foi ameaçada e insultada no hall do hotel por integrantes da comitiva portista;



- 24 de Outubro de 1990; José Saraiva, director do Jornal de Notícias, é agredido à porta de casa por dois indivíduos. O JN tinha publicado uma notícia envolvendo Pinto da Costa no famoso caso "Aveirogate". Nunca chegou a haver queixa judicial;



- Ainda em 1990; João Martins, jornalista ligado ao automobilismo, trabalhava na rádio do filho de Pinto da Costa e "roubou" a namorada ao Alexandre. Agredido à porta de casa por dois indivíduos, acabaria por não apresentar qualquer queixa porque lhe pediram desculpas;



- Santos Neves, jornalista de A Bola, quase que se despista em plena estrada no Porto, por alguém lhe ter desapertado as jantes do carro. Nunca se provou quem foi o autor;



- “Corte de relações” entre o FC Porto e o jornal A Bola;



- 1 de Setembro de 1992; António Paulino, jornalista do Expresso é agredido à porta do seu jornal na redacção do Porto, segundo o próprio, por Pinto da Costa, o filho e Joaquim Pinheiro. Tudo acontece porque queriam saber quem teria sido o jornalista responsável pela notícia sobre um processo de Alexandre Pinto da Costa;



- Ainda em 1992; Proibição da entrada de jornalistas nas Antas;



- Outubro de 1992; Pinto da Costa desvaloriza as agressões a jornalistas;



- 10 de Março de 1993; Agressões à equipa da RTP (Paulo Martins/Pedro Figueiredo) no relvado nas Antas no final do Porto-Famalicão, o jornalista Paulo Martins está no relvado a tecer os comentários finais a um jogo entre o FC Porto 0 Famalicão 1 quando um elemento não identificado do público entrou pelo campo dentro e agride à palmada a equipa da reportagem da RTP. Tudo foi transmitido em directo, toda a gente viu, contudo o jornalista da RTP e a própria RTP não apresentaram queixa à Justiça. As frases de Pedro Figueiredo ficam para a história, «Estou a ser cuspido (...), estão a pôr em causa a minha integridade física»;



- Ainda em 1993; Pedro Figueiredo, jornalista da RTP1, é agredido no Estádio do Bessa no final de um Boavista-FC Porto. Não houve queixa judicial porque a empresa não autorizou;



- 11 de Dezembro de 1994; Marinho Neves, jornalista da Gazeta dos Desportos e autor do livro sobre corrupção na arbitragem "Golde de Estádio" é alvo de uma emboscada à porta de casa por dois indivíduos. Processo judicial vem a ser arquivado na PJ do Porto por falta de provas, apesar de haver cinco testemunhas que nunca foram ouvidas e de acompanhar a queixa com uma fotografia dos agressores;



- 1994; Agressão de um jornalista nas Antas;



- Etc, etc, etc...



Inúmeros blackouts depois, volvido um indeterminável número de pressões, temos o que temos, a miséria é tanta que dizemos que um papagaio é poeta e domina a fina ironia.



Chega de cassete?


aqui: http://www.anti-benfica.com/artopiniao_cassetes_em_tempos_de_mp3_II.php


por sabio






               A máfia .....               o    clube da  fruta azul



MARINHO NEVES


Muitos jornalistas tentaram há alguns anos atrás denunciar e expôr a MAFIA do futebol. Mas foram ameaçados e espancados pelos capangas do FCP(cujo nome oficial é Corpo de Segurança Privado).

Marinho Neves foi um corajoso jornalista. Escreveu o livro 'Golpe de Estádio' onde de forma romanceada ele conta a história da MAFIA com nomes falsos. Antigo jornalista do Norte Desportivo e Gazeta dos Desportos já o espancaram várias vezes, para ele se calar. Colaborou com a SIC nos Donos da Bola. O livro teve algum sucesso há 3/4 anos, mas agora está esquecido.



Por falar em G. Abel ele está todos os domingos que o Vilanovense(Gaia) joga em casa lá está ele no campo. Talvez ele diga algo, uma vez que foi traído pelos ex-amigos do sistema. Benfiquistas do Norte vejam se lhe conseguem arrancar alguma coisa.



Agradeço a um benfiquista de Gaia pela sua ajuda.



Estas denúncias chegaram-me de um tipo que se diz antigo jornalista do jornal O Jogo.



O Reinaldo Teles passou as casas de prostitutas para nome de um tipo que ainda não sei quem é porque dava muito nas vistas, visto que o Granada, o Calor da Noite, Diamante Negro, entre outros, que eram os mais frequentados na altura, era onde se faziam algumas transacções de droga.



O próprio Reinaldo Teles foi apanhado em frente á alfândega do Porto num mercedes cheio de droga, mas muita gente 'comeu' às custas disso e nunca se soube nada, até um jornalista do 'Público' teve uma 'prenda' do Reinaldo Teles quando o próprio descobriu a história.



Em relação ao guarda Abel, ele não foi traído, mas sim 'aconselhado', mas ficou bem na vida... Só que ele é um granda putanheiro que estourou tudo no jogo e nas putas, agora tem umas tipas a render para ele.



Em relação á Olivedesportos, quando o Benfica quebrou o contracto, depois do Vale e Azevedo se tornar presidente, o Guilherme Aguiar, o Pinto da Costa, Manuel Tavares(editor do jornal O Jogo), Ronaldo Oliveira(filho do Oliveira), António Oliveira(o ex-treinador do Porto) e mais uns tipos que não me recordo agora, reuniram-se na sala de reuniões do jornal O Jogo, para tomar medidas no 'sistema' para o Benfica sofrer represálias intimidatórias, tanto a nível de imprensa como a nível federativo (Liga incluída). Obviamente que esta reunião foi 'off-the-record'. E muitas mais merdas. As mais banais eram as notícias fabricadas ou as inflamadas. Porque segundo o Jorge não sei das quantas, o responsável financeiro ou qualquer coisa do género do jornal O Jogo, 'o Benfica é que vende'.

Mandaram um sócio do Porto pagar a um cunhado para dizer que o jornal o tinha subornado para dizer mal do FCP. Este caso até passou nos 3 canais de TV."



E agora, a notícia do Record...





PC VIU VALIDADO MANDADO DE DETENÇÃO

Araújo implica os dragões



Acusado de cinco crimes de corrupção desportiva, António Araújo foi ao mesmo tempo impedido pela juíza que tutela o processo Apito Dourado de frequentar "o Estádio do Dragão ou qualquer casa de alterne". O empresário de Diego e de Leandro terá de entregar o seu passaporte e só saiu em liberdade mediante uma caução de 100 mil euros, estando também proibido de contactar Pinto da Costa, Augusto Duarte, Jacinto Paixão, Manuel Quadrado, José Chilrito, José António Pinto de Sousa (ex-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF), Francisco Costa (ex-vogal do CA da FPF), outros árbitros de futebol e dirigentes do FC Porto ou da sua SAD.



Pinto da Costa, por seu lado, viu o mandado de detenção emitido pelo Ministério Público ser validado pela juíza Ana Cláudia Nogueira, tendo-lhe sido "restituída a liberdade" devido à demora no interrogatório a António Araújo e pelo facto de o presidente portista se ter apresentado no tribunal de forma "voluntária e espontânea". O que terá de fazer novamente 3ª feira, às 9 horas, pois na 2ª feira a juíza não tem agenda.



António Araújo começou a ser ouvido às 20 horas de sexta-feira e o interrogatório terminou poucos minutos antes das três horas de ontem. Na próxima 2ª feira, o empresário terá de entregar o seu passaporte na secretaria do Tribunal de Gondomar e tem dez dias para prestar a caução que o vai manter em liberdade.



Face às medidas de coacção que lhe foram aplicadas, é de admitir que as acusações que visam António Araújo envolvam o FC Porto e alguns dos seus dirigentes, como o atesta o facto de estar impedido de frequentar o Estádio do Dragão e de contactar dirigentes do clube e da SAD.



O processo Apito Dourado acumula agora um total de 177 crimes e são conhecidos 22 arguidos.



Prostitutas brasileiras em foco



Todos os indícios continuam a apontar para factos ocorridos na noite anterior ao jogo FC Porto-Estrela da Amadora (mas não só), disputado no passado dia 24 de Janeiro, com os dragões a vencerem por 2-0. Prostitutas brasileiras, entretanto ouvidas pelo MP, terão prestado serviços a terceiros, tendo António Araújo conduzido a operação após ordem superior. As buscas entretanto realizadas tiveram como objectivo encontrar documentação que reforce a acusação que estará pendente.



por sabio ..



                 Mais uma vez lembrar os corruptos dos ANDRADES no desporto em portugal...


Atente-se a esta espantosa entrevista de Octávio Machado ao Correio da Manhã de Sábado, 11 de Dezembro de 2004




Da mesma, fica esta pequena transcrição.



"CM: Ficou surpreendido com as evoluções do processo ‘Apito Dourado’?



OM: – Eu, que ando há quarenta anos no futebol?! Fui a primeira pessoa a falar do sistema. Dez anos antes de Dias da Cunha o fazer. Pensa que alguma vez vou esquecer o que vivi antes do jogo Gil-Vicente-FC Porto na época de Carlos Alberto Silva. Foram os momentos mais traumatizantes da minha vida e da minha carreira. Esse jogo determinava a descida de divisão do Gil Vicente, treinado por António Oliveira, caso a equipa perdesse contra o FC Porto, na altura do jogo já campeão nacional.



Não esquece porquê?



– Porque tive de lutar para que mantivéssemos a nossa dignidade.



Sofreu pressões para que o FC Porto facilitasse a vida ao Gil Vicente?

– Num telefonema chegaram a dizer-me que eu era a única pessoa do FC Porto que desejava a vitória da equipa frente ao Gil Vicente.



Quem lhe telefonou?

– Um amigo. De facto, bem vi aqueles que foram ao balneário do Gil Vicente festejar a vitória da equipa. Perdemos por 1-0, mas não perdemos a dignidade porque não cedo a pressões e disse isso mesmo aos meus jogadores no fim do jogo.



Pinto da Costa deu-lhe a entender que o FC Porto devia facilitar?

– Nunca me diria isso porque me conhece.



Algum dirigente do FC Porto o fez?



– Há muitas maneiras de fazer pressão. Posso apenas dizer que vivi momentos muito difíceis, mas tenho que deixar alguma coisa para revelar no meu livro. Mas não foi a única vez que me aconteceu. Num jogo entre a Académica e o FC Porto em que se discutia a descida de divisão da Académica, também passei por situações difíceis. Acabamos por ganhar com um golo de Raudnei, infelizmente para alguns, porque não era suposto o FC Porto ter ganho esse jogo à Académia.



Em que época se passa esse segundo episódio?



– Quando Ivic era treinador do FC Porto.



O treinador da Académica era António Oliveira...



– Exactamente.



Foi pressionado, por duas vezes, para não prejudicar duas equipas, treinadas por António Oliveira?



– Vivi momentos muito difíceis."



A julgar pela entrevista, se o sucessor do Papa no FCP for o Oliveirinha, temos que o legado de trafulhice tem a transição assegurada...



Àh pois é!...





PARTE 3



A Mafia do futebol III

Enquanto estiver disponível, é de leitura obrigatória o artigo de opinião que Daniel Reis (uma espécie de Leonor Pinhão, a nossa mentora, só que para os lagartos...) escreve n' A Bola de 10 de Dezembro.



Deixo aqui algumas passagens (o artigo divide-se em vários pontos), mas sem dúvida que todo artigo é excelente...



"(...)



5 - Reporta-se essa história ao tempo emque os cartões começaram a fazer mossa no futebol profissional. A Associação do Porto já por essa altura comandava a arbitragem e escolhia os seus chefes com o placet não declarado do Papa do futebol. Treinadores conheci, então, que juravam adivinhar que árbitro lhes seria destinado, na jornada precedente ao seu jogo com o FC Porto. E não é que acertavam, sempre, pois eram-lhes enviados osmais famosos na arte de amarelar quem estava no limite da suspensão?



6 - Um dia perguntei a um desses treinadores se acusava alguém, especificamente, por este controlo à distância das nomeações, para afastar indirectamente dos jogos com o FC Porto os jogadoresX,YouZ.Ejáporessetempo o objecto de todas as suspeições era outro (o seu famosíssimo treinador à época) e não o dirigente que mandava no futebol portista.



7 - Como se previa, não foi a voz de Pinto da Costa a apanhada nas velhas escutas telefónicas da Judiciária, quando alguém pelo FC Porto negociou os quinhentinhos com o árbitro José Guímaro. Foi a de Reinaldo Teles. E na ordem de pagamento das férias do árbitro Calheiros, gozadas no Brasil, a assinatura válida era também a de um subalterno qualquer, subitamente investido da autonomia adequada a tal acto.



(...)



9 - Para meu espanto, já foi a voz do presidente, em pessoa, que apareceu ao telefone com Pinto de Sousa (segundo relatos do Apito Dourado- I) a encomendar um árbitro para um jogo da Taça. Talvez se explique o deslize pelo facilitismo, que o demandante não cultivava noutros tempos. Mas compreende-se: quem tantas encomendas do género fez com sucesso, directamente ou por interpostos mensageiros, ia lá agora admitir que as coisas mudaram e até um simples favorzinho, de presidente a presidente, levantasse suspeitas?





10 - Recordam-se da sugestão de Dias da Cunha, para serem apurados os montantes em trânsito e os destinatários efectivos do dinheiro pago a mais pelo FC Porto para desviar o jogador Paulo Assunção do Sporting? Presumo que esta transferência seja uma das que estão sob investigação. Mas Pinto da Costa também nada deve ter a ver com o caso. Nem ele, nem o presidente do Nacional. E o mais certo é provar-se que o tal empresário Araújo, também apanhado na teia, foi o único que lidou com esta e outras massas menos recomendáveis."



PARTE 4





Não se Liga ao futebol!

No seu Bilhete, no MaisFutebol, Luís Sobral fala de uma certa passividade, lentidão e mão branda da Comissão Disciplinar da Liga, em casos recentes:





Comissão Disciplinar: atirar baldes a árbitros sai barato

[ 2004/12/15
12:43 ] Luís Sobral



A Superliga está em roda livre.



O presidente da Liga encontra-se impedido de exercer funções, no âmbito de um processo de corrupção desportiva.



A Liga está desde Abril com um presidente interino, o director executivo Cunha Leal, naturalmente sem a força que deveria ter.



O presidente do F.C. Porto é arguido no processo «Apito dourado».



O presidente do Sporting diz que a investigação judicial em curso é coisa pouca e abre uma nova frente, o dinheiro sujo das transferências.



O presidente do Benfica acusa toda a gente de cobardia, mas à excepção de um «DVD voador» e da mais triste conferência de imprensa do futebol português recente, desconhece-se qualquer ideia construtiva.



Há árbitros e auxiliares impedidos de exercer a sua actividade, também arguidos no processo de corrupção desportiva.



No meio de tudo isto, exigia-se que pelo menos a Comissão Disciplinar da Liga desse alguns sinais de empenho e procurasse ser exemplar.



No entanto, é exactamente o contrário que se verifica.



Esta terça-feira ficámos a saber que finalmente, dois meses depois (!), haverá um inquérito ao caso dos bilhetes no Benfica-F.C. Porto. Recorde-se que esse tema valeu uma semana de tensão e contribuiu para instalar um clima de guerra no jogo mais importante da Superliga até ao momento.



A mesma CD decidiu punir com 3500 euros o Penafiel e abrir um inquérito ao presidente do clube, António Oliveira.



A multa até parece elevada, mas se virmos as imagens percebemos que é profundamente inadequada ao que de facto se passou. Um auxiliar foi alvejado com uma garrafa e um balde. O jogo esteve interrompido dez minutos.



Na prática, é como se nada se tivesse passado. O clube pagará a multa e na próxima jornada lá estarão os mesmos adeptos, incapazes de um comportamento cívico e desportivo, a tentar pressionar a equipa de arbitragem. Recorrendo para isso a todos os meios.



Resta apenas uma dúvida: se da próxima vez o balde acertar na cabeça do árbitro qual será a multa? Aposto em 4500 euros...





Em primeiro lugar, tenho estranhado que estas pequenas crónicas de Luís Sobral apareceçam cada vez mais escondidas no site. Nem a uma referência na página inicial têm direito, o que é, no mínimo, bizarro, sendo Luís Sobral o director da publicação.



Voltando ao essencial, este reparo à Comissão Disciplinar só peca por tardio. Desde que o futebol profissional passou a ser tutelado e organizado pela Liga de Clubes que se tem assistido a decisões perfeitamente bizarras, de ambas as Comissões (Disciplinar e Arbitral). Castigos que já não são castigos, processos arquivados com provas mais do que evidentes, jogadores castigados 2 meses depois da infracção em véspera de jogo importante (sim, estou a falar de Jardel num Sporting-Benfica) são apenas as asneiras mais sonantes.



Mas, quanto a mim, o que mais me choca é a incapacidade da Liga exercer a disciplina sem contemplações, protegendo sobretudo o espectador e o intérprete do futebol espectáculo. Vejamos:



Manuel Fernandes rasteirou um adversário por trás, sem bola. É expulso e castigado com 2 jogos. Benny McCarthy deu 2 socos a um adversário. É expulso e castigado com 2 jogos. Qual é a diferença entre estes 2 lances para lá da cor da camisola? Será difícil perceber quem deveria ter tido um castigo de 5 ou 6 jogos? Este tipo de atitudes pedagógicas só iriam proteger o nosso já débil futebol, afastando cada vez mais os jogadores violentos e sarrafeiros. Há falta de coragem.



António Oliveira é presidente do Penafiel e agora dono de 10% da SAD do FCP. Em primeiro lugar, ainda não ouvi ninguém d'O Jogo a referir que esta situação é imoral, como ouvi acerca de José Veiga e referi aqui no blog. Atira baldes e garrafas ao árbitro, incita à violência, é multado em 3500 euros. Até o pobre Avelino Ferreira Torres já deve estar a pensar comprar acções do FCP para que o Marco não seja castigado na sua próxima explosão. Aparentemente, o investimento em títulos compensa, mesmo quando a economia aperta! Melhor: Miguel e Nuno Gomes aparecem no balneário do Benfica-Estoril, sem estarem sequer na ficha de jogo, e são alvo de processos disciplinares da Liga, graças ao inefável Delegado que não perdeu tempo a anotar as gravíssimas infracções dos cidadãos (porque naquele jogo não eram jogadores)! Se eu lá estivesse, também seria?



Luís Fabiano foi inscrito já com o campeonato a decorrer. O FCP adiou o seu jogo com o U.Leiria, que deveria ter sido disputado ainda sem Luís Fabiano. Claro que a Liga baralhou todos os regulamentos e voltou a dar, perdendo-se em precisosismos da linguagem dos regulamentos para explicar o inexplicável e abrir este espantoso precedente. Mais uma vez, falta de coragem.



Jorge Costa, em Guimarães, atropelou o fiscal de linha (e não me digam que foi sem querer!). Ninguém falou, ninguém viu, ninguém se queixou. Na Premier League, tocar no árbitro dá castigo, quanto mais intimidá-lo e agredi-lo fisicamente. Falta de coragem.



O Sporting acaba de antecipar o seu jogo para a Taça de Portugal para limpar o cartão de Liedson. Embora os pobres regulamentos o permitam (se calhar mais pelo seu vazio do que pelo texto propriamente dito), isto é incrivelmente promíscuo, anti-desportivo e vergonhoso. A Liga não se pronunciou, a Federação também não. É tempo de acabar com a troca de castigos entre provas. Ou então, punir de forma mais severa um jogador que tenta ser admoestado.



O Benfica vai ser alvo de processo disciplinar por causa dos bilhetes do Benfica-FCP. Era assumido pela Direcção que tal ia acontecer. Mas continuo a não ver regulamentação no sentido de baixar os preços dos bilhetes para mpedir que se paguem mais de 50 euros por um jogo num campo sem condições, entre uma equipa que só defende e outra que tenta fazer pela vida. Isto acontece em todos os jogos fora do Benfica. Também não há Liga para isto.



Quanto a adeptos, já nem vale a pena falar. Onde há azul e branco, há confusão. Na Luz, em Alvalade, em Guimarães, no Bessa, em qualquer lado. E se não fosse A Bola pouco saberíamos das perseguições automobilísticas que os Super-Escarretas fazem à sua equipa quando há derrotas. E nem quero começar a pensar nas facadas em Alvalade ou nas pilhagens das Auto-Estradas. Ou serão só os desordeiros da Luz que atiram pedras?



O futebol profissional é uma realidade. A regulamentação, gestão e organização profissional são uma miragem. E quem é que ganha com isso?



PARTE 5



Não se Liga ao futebol! (II acto)

Ainda a propósito do que falámos no anterior post, Luís Sobral escreve novo comentário endereçado à Liga e que aqui reproduzimos:



Liga: apenas mais um exemplo ridículo



Nuno Gomes e o Benfica vão ter pagar a mais elevada multa desta época, 3200 euros, por o avançado ter faltado à «flash interview», no final do Benfica-F.C. Porto.

À primeira vista até nem parece muito, para quem comete aquilo que o regulamento da Liga designa por falta grave. Mas quando percebemos que é a multa mais cara até agora começamos a desconfiar.



Uma pequena pesquisa causa espanto.



Um caso grave como o que sucedeu em Guimarães (Vitória-Sporting, cadeiras arremessadas em direcção ao árbitro) custou aos minhotos 1500 euros.



A agressão em Penafiel, também num jogo com o Vitória de Guimarães, custou 2000 euros. A tentativa de agressão, uns minutos antes, valeu 1500 euros.



As palavras de José Veiga sobre Olegário Benquerença, outro exemplo (no final do Benfica-F.C. Porto), custaram-lhe 1500 euros e um mês de suspensão (já agora, suspenso de quê se não tomou posse como administrador da SAD?).



Ou seja, tudo isto (e são apenas alguns exemplos sem recurso à violência entre jogadores, no jogo, ou a declarações de treinadores no final dos mesmos) é menos grave do que faltar a uma flash interview. Pelo menos para a Comissão Disciplinar da Liga.



Desculpem lá, se isto não é ridículo, mandem por favor a vossa sugestão.



Mais nada!



(os meus agradecimentos ao site www.antiantibenfica.blogspot.com)



Por sabio ....




 A mafia dos apitos azuis ...... a mafia dos apitos azuis ....


CAMPEONATO ROUBADO 2010/2011...




CAMPEONATO ROUBADO 2010/2011




Com o aproximar do final do campeonato onde tudo aponta para que o Benfica não renove o titulo de Campeão Nacional, oferece-me transcrever para todos os benfiquistas uma cronica brilhante escrita por Luís Fialho, publicado em 11MAR2011, no melhor jornal Nacional - " Jornal O Benfica".



PARA NÃO ESQUECER



"Na 1.ª jornada, Benfica-Académica, 1-2: quatro penáltis por assinalar a favor dos 'encarnados' (pontapé a Saviola, corte com a mão, empurrão a Saviola, e carga nas costas de Javi Garcia).

Cinco cartões amarelo exibidos a uma equipa que atacou quase sempre.

Três pontos subtraídos por C. Machado, logo na alvorada do Campeonato.



Naval-FC Porto, 0-1: golo portista obtido perto do fim, na sequência de uma grande penalidade inexistente assinalada por Paulo Baptista (bola tocou involuntariamente na mão do defesa figueirense). Dois pontos acrescentados ao FC Porto.



2.ª jornada, Nacional-Benfica, 2-1: dois penaltis por assinalar a favor do Benfica (rasteira sobre Coentrão, e corte com a mão de um defesa madeirense).

Um dos golos do Nacional surge na sequência de um livre inexistente. P. Proença retirou mais três pontos aos 'encarnados', enchendo-os, também, de cartões amarelos (sete, só nesta partida).



FC Porto-Beira Mar, 3-0: segundo golo portista obtido à beira do intervalo, na sequência de um livre mal assinalado por João Capela.



3.ª jornada, Rio Ave-FC Porto, 0-2: primeiro golo irregular, com dupla carga de Falcao, primeiro sobre um defesa, e depois sobre o guarda-redes.

Penálti inacreditavelmente perdoado por Jorge Sousa a Álvaro Pereira, em empurrão e rasteira a avançado vilacondense no interior da área.

Três pontos oferecidos ao FC Porto.



4.ª jornada, V. Guimarães-Benfica, 2-1: dois penalties por marcar a favor do Benfica (pontapé na perna de Aimar e rasteira a Carlos Martins).

Dois foras-de-jogo mal assinalados a Saviola e Cardozo, quando ficavam isolados diante da baliza. Mais sete cartões amarelos mostrados a jogadores benfiquistas.

Uma arbitragem à Benquerença, subtraindo pontos à equipa de Jesus.



FC Porto-Sp. Braga, 3-2: carga de Belluschi sobre Paulo César no último minuto, não assinalada por Pedro Proença. Mais 2 pontos para o FC Porto.



5.ª jornada, Benfica-Sporting, 2-0: seis amarelos para jogadores do Benfica, perfazendo um total de 26 (!!!) cartões em apenas cinco jogos.



Nacional-FC Porto, 0-2: corte com a mão de Rolando na sua área de rigor, sem que Bruno Paixão assinalasse a respectiva grande penalidade, com o resultado em 0-1.



6.ª jornada, Marítimo.Benfica, 0-1: carga sobre Saviola na área madeirense, com o resultado ainda em branco, e com João Capela a mandar jogar.



7.ª jornada, V. Guimarães-FC Porto, 1-1: penálti claro cometido por Fucile, e ignorado por Carlos Xistra. Mais um ponto para o FC Porto.



12.ª jornada, Beira Mar-Benfica, 1-3: corte com a mão na área aveirense, com o marcador ainda em branco, e sem que Bruno Paixão fizesse o que lhe competia.



13.ª jornada, FC Porto-V. Setúbal, 1-0: penálti fantasma assinalado por Elmano Santos a mergulho de Falcão na área.

Repetição inexplicável de penálti convertido por Jaílson no último minuto, que originou o falhanço do mesmo jogador, garantido dois pontos para o FC Porto.



14.ª jornada, Benfica-Rio Ave, 5-2: mais um penálti por assinalar, por falta sobre Coentrão que Hugo Miguel não sancionou, e um penálti mal assinalado contra os 'encarnados'.



Paços de Ferreira- FC Porto, 0-3: o primeiro golo nasce de um livre inexistente, e o segundo (já em tempo de descontos) de uma grande penalidade fantasma assinalada por Soares Dias.



16.ª jornada, Académica-Benfica, 0-1: golo irregular do Benfica, mas dois penáltis por assinalar a seu favor - um sobre Coentrão, que ainda lhe valeu um cartão amarelo injusto (mais tarde seria expulso), e outro por corte com a mão após cruzamento de Salvio, a que Elmano Santos e o auxiliar fizeram 'vista grossa'.



FC Porto-Naval, 3-1: um dos golos do FC Porto foi obtido com duas bolas em campo, e com a equipa adversária praticamente parada, ante a indiferença de Cosme Machado.



17.ª jornada, Benfica-Nacional, 4-2: penálti sobre Salvio no lance que antecede o primeiro golo, que o árbitro Rui Costa, deixou passar em claro.



Beira Mar-FC Porto, 0-1: golo obtido através de penálti altamente duvidoso (teatro de Hulk) assinalado por João Ferreira.



18.ª jornada, V. Setúbal-Benfica, 0-2: golo limpo anulado por C. Machado a J. Garcia já perto do fim.



19.ª jornada, Benfica-V. Guimarães, 3-0: golo limpo invalidado por João Ferreira a Saviola.



20.ª jornada, Sporting-Benfica, 0-2: expulsão exagerada de Sidnei, após primeiro cartão amarelo mal mostrado por Soares Dias.



21.ª jornada, Benfica-Marítimo, 2-1: penálti por assinalar em corte de Roberge com o braço, ainda na primeira parte, com o resultado a zero. Cartão amarelo ridículo a Aimar, após sofrer falta não sancionada por Vasco Santos sobre a linha da área.



Olhanense-FC Porto, 0-3: penálti perdoado por João Capela a Otamendi, com o resultado em 0-0.



22.ª jornada, Sp. Braga-Benfica, 2-1: primeiro golo bracarense resultante de falta marcada por Carlos Xistra ao contrário, em lance de onde resultou também a expulsão injusta de Javi Garcia. Três jogadores do Braga por expulsar.

Dois ataques cortados erradamente ao Benfica, um por alegada falta de Saviola, outro por inexistente fora-de-jogo de Cardozo.

Oitavo(!) jogo da Liga em que o Benfica viu mais de cinco cartões.



É esta a triste história deste Campeonato. Trata-se, provavelmente, do mais subvertido da última década.

O FC Porto não reconquistou o título. Deram-lhe!

O Benfica não o perdeu. Roubaram-lho!"

***************** /// ******************



NOTA: E assim se FAZ um Campeão, na base da MENTIRA e FALSIDADE.

Bravo caro Luís Fialho.



por sabío

segunda-feira, 11 de abril de 2011

O EXERCITO DO MAL ...

   OS DIFAMADORES E MENTIROSOS DAS ANTAS ...


PORTO E MERDA SEMPRE .....




                                                       OS PINOQUIOS DAS ANTAS




O corrupto Antero Henrique quer se faz passar por gente seria ...




O MÁFIOSO DO LADRÃO

«Depois dos túneis, este será o campeonato do apagão» 

 Antero Henrique


 Os porcos das Antas  ainda grunhem ,




A MAIOR VERGONHA JAMAIS VISTA EM PORTUGAL..



e so ver e ler  isto .....







Escuta 4 - Caso do castigo a Deco


04:36quinta-feira, 21 janeiro de 2010 Partilhar

27/10/2003 Boavista 0-1 FC Porto



Após o jogo, Pinto da Costa combina com o jornalista Tavares Teles uma notícia falsa sobre a possibilidade de Deco recusar jogar pela Seleção no Euro'2004 se fosse castigado no caso da bota atirada contra o árbitro Paulo Paraty. Pinto da Costa combina tudo com Deco. Antero Henrique dá os parabéns a Pinto da Costa pela genial chantagem.



PC: Estou?



TT: Sim, Jorge Nuno?



PC: Então?



TT: Então? Olha pá, eu... eu já escrevi aquela história... do...do Deco...opá, aquilo... o Manuel Tavares estava... a querer pôr aquilo... em grande destaque pá!



PC: Tem mais impacto aí do que...



TT: Pronto! Ouve lá, e...e...e... entretanto, o FC Porto vai jogar...e...e os gajos vão perguntar ao Deco! O Deco o que é que vai dizer?



PC: O Deco vai dizer que está a pensar!



TT: Que está a pensar, não é?



PC: É.



TT: Está... o gajo não é maluco o suficiente para dizer que não... que não é nada, que é tudo mentira?



PC: Não. Eu falo com o Antero e ele avisa.



TT: Fala... fala com ele a dizer que lhe vão perguntar.



PC: Ok.



TT: Está bom?



PC:Está bem.



TT: Pronto... um abração... tem aqui muitas coisas giras! Lê isto, amanhã, que tem aqui coisas muito giras.



DECO E PC



Deco: Fala.



PC: Tou, Deco?



Deco: Sim.



PC: Estou, é o presidente. Tás bom Deco?



Deco: Ó presidente, então, tudo bem?



PC: Olha, estou-te a falar pelo seguinte... amanhã, como sabes, nós metemos o recurso do teu castigo, não é?



Deco: Sim, sim.



PC: Amanhã, vai sair naquele coiso do Pato...



PC: ... uma coisa a dizer... do género de: pode estourar uma bomba... ofendido com o que foi dito... aquele termo de indigno e o castigo...



PC: Então pode estourar uma bomba, que é possível que o Deco, desgostoso com a perseguição, dentro daquilo que tu disseste hoje



Deco: Sim, sim.



PC: Ofendido com a perseguição que lhe está a ser feita, se calhar, vai pedir dispensa de jogar na Seleção ou no Europeu... uma coisa assim, estás a perceber?



Deco: Hum, hum.



PC: Que é como forma de pressão para...



Deco: Hum, hum.



PC: Para o Conselho! Portanto, se amanhã alguém te perguntar se isso é verdade, se não é, ou que é que pensas, tu dizes: desculpe, sobre isto eu não falo nem uma palavra! Na altura própria, eu... eu direi o que tiver a dizer.



Deco: Claro, está bem.



PC: Compreendes?



Deco: Só que é assim... hoje... hoje, eu dei uma entrevista para a Bola... porque eu... tinha marcado já com o gajo e o Antero tinha falado comigo, por acaso... e então, se for o caso... fala com o Antero para poder então a entrevista não sair.



PC: Mas o que é que dizias na entrevista?



Deco: Não... disse o básico, o normal como... aquilo que eu já disse mas agora não se isso prejudica de alguma forma...



PC: Não, não prejudica, não! É só se te perguntarem... se te perguntarem alguma coisa: Isso é verdade não é? E o que é que há? Dizes "desculpe, sobre isso eu não digo nada, falarei na altura devida".



Deco: Tá bem, tá bem.



PC: Compreendes?



Deco: Tá bem.



PC: Falarei na altura devida... que é para eles ficarem a dizer assim: Epá, isto é uma bronca dos diabos, deixa lá reduzir isto.



Deco: Claro, claro.



PC: Agora nem dizes nem que sim nem que não nem que estás... nada! "Na altura própria, eu falarei"...



Deco: Está bem, está bem.



PC: Deco, um abraço. Até amanhã.



Deco: Está. Um abraço



PC E ANTERO



PC: Sim?



Antero: Presidente, bom dia.



PC: Então?



Antero: Esta do Pato, do Deco... vou-lhe dizer uma coisa pá! Eu já sabia que o presidente era um génio, mas esta... foda-se!



PC: Como é que vem?



Antero: Vem espectacular pá!



PC: Como é que está?



Antero: Acho que é uma chantagem fantástica!



PC: Como é que está?



Antero: Por aquilo que o Pato sabe, pode rebentar, muito em breve, uma bomba dos diabos! Deco ofendido com os termos que a comissão disciplinar da Liga utilizou para qualificar o seu comportamento no já famoso caso da bota, entre outras coisas comportamento indigno e intimidatório consabidamente descabelado e indisciplinado com redobrado intento de desonrar, desprestigiar e fazer ver ao árbitro do que era capaz, parece estar na disposição de pedir escusa da Seleção Nacional, pelo menos enquanto a dita comissão disciplinar não se retratar daquilo que ele considera ser um atentado ao seu nome, pelo que Scolari pode ter de reduzir o número de jogadores que fazem parte da sua primeira Seleção de 28 para 27.



PC: Ahahahahahahah



Antero: Espectáculo pá !!



PC: E o que é que traz mais?



Antero: Espectacular presidente! Espectacular pá.



Antero: Está presidente. Olhe, um abraço, até logo.



PC: Ok.
                                               OS PORKOS DAS ANTAS




Escuta 2 - Antevéspera do Beira-Mar - FC Porto, 0-0


02:55quinta-feira, 21 janeiro de 2010 Partilhar

16/04/2004



Antevéspera do jogo Beira-Mar - FC Porto, 0-0 (31.ª jornada)



Dois dias antes do jogo, o empresário de jogadores, António Araújo conduz até casa o árbitro da partida, Augusto Duarte. O presidente do FC Porto dá a rota certa até sua casa, na Madalena, em Vila Nova de Gaia.



Conversa entre António Araújo e Pinto da Costa:



Pinto da Costa (PC): Estou



António Aráujo (AA): Estou Presidente?



PC: Como está?



AA: Eu virei aqui, eu virei aqui, portanto, para a, para a zona da Madalena, não é?



PC: Sim



AA:E agora, eu viro para depois aonde? Que eu vim só no dia do seu aniversário...



PC: O senhor virou onde diz Madalena, não é? E agora vem frente e... sobe um bocadinho não é?



AA: Sim...



PC: Sobe um bocadinho e o senhor vira à esquerda.



AA: Certo...



PC: Tá a virar?



AA: Sim sim



PC: E depois vira à direita.



AA: Certo.



PC: E agora vem sempre por aí abaixo...



AA: Hum... espere aí então, espera aí. Tem alguma, alguma tabuleta em especial, não?



PC: Não, vem sempre por... em frente por aí abaixo



AA: Pela nossa direita não é?



PC: Sim, o senhor vire pela direita, portanto, tem uma tabuleta que diz Porto, não sei quê para a esquerda... e o senhor vira à direita, vem à ... continua em frente pela direita sempre a descer. Pronto... Agora vai descendo



AA: Espere aí. É que eu tive que... já tinha caminhado um bocado...pronto, eu estou aqui, cheguei nesta rotunda.



PC: Qual rotunda?



AA: Eu...tem a... que diz assim: Porto.



PC: Pronto, o senhor aí vem para baixo. Em vez de ir para o Porto, vem para baixo.



AA: Pronto, venho para baixo. Tem... e depois não tem uma rotunda, que até tem umas flores no meio?



PC: E o senhor vem sempre em frente para baixo... dá meia volta à rotunda e vem aí abaixo.



AA: Certo. Pronto, já lá estou. Assim já vou melhor. Depois tem as escolas do lado direito...



PC: Tem uma escola do lado direito. Vem sempre em frente.



AA: Certo



PC: Tá a passar por uns correios, não?



AA: Depois, agora, agora tem aqui uma tabuleta que diz: Coimbrões, Rego d'Água.



PC: Não, não. Sempre em frente.



AA: Sempre em frente. Ok. Ora aqui vou eu. Já estive aqui carago.



PC: E está a passar por onde?



AA: Ora bem, agora tem... agora tem aqui uma tabuleta que diz: Avim??



PC: Não não. Isso não sei o que é.



AA: Ai não?



PC: Isso não sei onde é que o senhor anda.



AA: Ó diabo! Então tenho aqui uma tabuleta que diz: à esquerda Avim. Continuo sempre para baixo?



PC: Vá. Continue sempre para baixo.



AA: Pronto, eu continuo sempre para baixo. E vou passar...



PC: Está a passar o que?



AA: Depois tem aqui...Apeadeiro à direita



PC: Não. Sempre para baixo.



AA: E à frente tem uma pontezeca...



PC: Exacto. Sempre para baixo.



AA: Exatamente. Eu se vir aí alguma coisa que...



PC: E depois, à direita vai ver uma casa grande, que é...



AA: Exatamente. Um casa já antiga



PC: Assim muito grande...



AA: Certo



PC: Sempre em frente



AA: Sempre em frente...eheheh. E agora aqui em baixo tem costa, estaleiro de Madalena, Orfeão...



PC: Sempre em frente



AA: Sempre em frente...Farmácia...



PC: Sempre em frente



AA: Junta de freguesia da Madalena



PC: Junta...isso eu não estou a ver onde é...



AA: Depois tem clínica dentária...



PC: Sempre em frente...



AA: Agora direita ou esquerda?



PC: Sempre em frente...



AA: Agora... à direita ou à esquerda?



PC: Sempre em frente...



AA: Ah, mas aqui tem uma, tem a funerária e depois tem a orbitur..



PC: O senhor na funerária, vira a esquerda



AA: À esquerda, Orbitur...



PC: Sempre em frente, para a esquerda. Passa à frente da funerária



AA: Exatamente, elá vou eu



PC: ...E vem, e vem sempre em frente



AA: E lá vou eu... sempre por aqui abaixo...agora tenhou outra, outra..., mais um jardinzeco à minha esquerda. É aqui?



PC: Jardinzeco à sua esquerda?



AA: Sim, tipo um triângulo.



PC: Não, o senhor vem sempre em frente.



AA: Sempre em frente, aqui vou eu. Agora temos aqui... Para a igreja ou para a praia?



PC: Hum... ora, deixe-me ver onde é que está?



AA: Campismo, farmácia...



PC: O senhor passou, passou...



AA: Ou viro para o , para o ideal clube da Madalena...



PC: Vira para aí, que é para a esquerda, não é?



AA: Exatamente



PC: E vai passar nuns columbófilos...



AA: Ora aqui vou... agora a estrada estreita aqui um pouquinho...



PC: Exacto, e vai passar na sociedade columbófila e no clube da Madalena não sei qué...



AA: Pronto, tem aqui um cruzeiro...



PC: Exatamente, sempre em frente é estreitinho aí...



AA: Exatamente



PC: Pronto, e o senhor depois...



AA: Sociedade Columbófila da Madalena, Já estou a passar...



PC: Passa por ela e depois no fundo vira à direita, que tem aí o clube da Madalena



AA: Exatamente, à minha esquerda é o clube da Madalena.



PC: E o senhor vem aí e vai chegar à frente



AA: É sentido proíbido, tenho que virar à direita



PC: À direita, é uma rua larga, estão aí muitos gajos aí parados e encostados...



AA: É, parece que é "Para a viola"...



PC: É É..."Para a viola" e o senhor vem em frente.



AA: Exatamente



PC: E nessa rua larga vira à esquerda.



AA: Aqui já estou eu



PC: Vire à esquerda



AA: Já estou eu na, na esquerda



PC: E no fundo, vira à esquerda.



AA: Outra vez à esquerda



PC: Outra vez à esquerda e depois vai em frente.



AA: Já vou



PC: E no fundo dessa rua tem uma seta que diz praia...



AA: Exatamente



PC: ... e o senhor vira à esquerda



AA: Viro à esquerda. Aqui vou eu



PC: E 100 metros à frente o senhor vira à direita e é nessa rua, na casa que está iluminada



AA: Ok, isso já, já estou! Já estou a ver





era preciso isto no ladrão ...







 FOI ASSIM QUE GANHARAM NO LADRÃO ! FOI ASSIM QUE GANHARAM MUITOS CAMPEONATOS E JOGOS NO TUNEL DO DRAGÃO E NÃO SÓ ...

Porto e Benfica chegaram à 10ª jornada separados por 7 pontos. Este era, portanto, um jogo possivelmente determinante para o campeonato, especialmente em caso de vitória do FCP, que via a sua vantagem aumentar para uns confortáveis 10 pontos depois do roubo de tiros de bandidos a danificar o autocarro etc etc fora os porcos com as suas ameaças e boladas como ao gr do BENFICA ,UNS SELVAGENS E CORRUPTOS E O QUE SÃO ESTES BICHOS .....




 ALEIJANDO O GUARDA REDES DO S.L.BENFICA COM TUDO QUE ERA MERDA E POR MILAGRE NÃO O PÕE NO ESTALEIRO ESSES JAVARDOS ,, ....





Podia falar de foras de jogo mal assinalados no ladrão , de dualidade no critério de atribuição de faltas e amarelos, e até em penáltis muito pouco discutíveis que passaram sem penalização no ladrão… mas até compreendo que o árbitro quis “proteger o espectáculo”. A verdade é que aconteceu… mas aconteceu muito mais coisa no ladrão que foi encoberta por essa corja de corruptos…





por sabio

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Em resposta ao CARECA AZUL do record .....





Tudo isto que está escrito envaixo e real   .


Ou seja, é correcto, verificável, e adequado à matéria.


 Acontece que é também a minha opinião e não só de milhões de Benfiquistas .

Pois os broncos do record como este careca[Alex Pais] iluminada  merecem isto e muito mais ! muito mais mesmo pois só assim se dariam conta das barbaras e atopeladas noticias sempre mas sempre contra o SPORT LISBOA E BENFICA




   a casa do record na capital


AS CALÚNIAS DO RECORD  CONT...INUAM




A rede informática de comunicação no pasquim Record e  um autentico Nazismo ..



 o branqueamento de um tal careca é director alex País e de bradar aos ceus .



Record um jornal calunioso e Anti-Benfica   …





 E só ver e ler este arrasador texto do ! Anti-Benfica .COM





Sobranceria


Alberto do Rosário, jornal Record

6 de Abril de 2011











Depois da capa sui generis de hoje e de algumas notícias próprias de uma qualquer hecatombe que vem sendo fabricada desde o início trôpego da Liga, o facto de Alexandre Pais dar voz a um tal de Alberto do Rosário é coisa de somenos.



Se por um lado é certo que essa coragem selectiva, apenas se torna possível porque jamais o Benfica teve promiscuidades com António Tavares-Teles e no inverso Senhores como Carlos Pinhão entre muitos outros foram aviados por terem a coragem de dizerem as verdades, não deixa de ser triste constatar a falta de nível de alguns escribas em geral e do jornal Record em particular. Faz parte daquela verdade a que temos direito tão intensamente perseguida pelo director Pais.



Contrariamente a outros, o Benfica sempre foi um clube aberto, e continua a sê-lo, pese embora como se deva compreender ainda que não se faça grande esforço para isso, seja capaz de gerar os anti-corpos necessários para eliminar certos tipos de jornalismo rasca.



As relações entre o Benfica e Record azedaram a partir do momento que o jornal se prestou a teorias descabidas que de uma forma ou de outra, afectaram o bem estar da nação benfiquista e pouco contribuiram para os devidos esclarecimentos da opinião pública. A prática continuada de teorias especulativas e sensacionalistas que como sabemos continuam a fazer as delícias de algumas mentes paradas no tempo.



Algo que os adversários, ou inimigos caso eles prefiram, ainda não compreenderam, é que a sobranceria benfiquista não assenta única e exclusivamente no clube que o Benfica foi na década de 60, nas vitórias, ou na glória.



A sobranceria benfiquista traz-nos um Benfica pioneiro, dando luz e empreendendo medidas inovadoras como fundos de jogadores e televisões, entre muitas outras que, após o desdenho adversário, lá seguem as pisadas. A sobranceria benfiquista chega através de uma consciência social, pela voz e engenho de projectos sociais de envergadura protagonizados pela Fundação Benfica, que ainda recentemente contribuiram para o conforto de alguns madeirenses e haitianos, para além dos protocolos que sucessivamente vêm sendo assinados e que servem centenas e centenas de crianças de zonas problemáticas e carenciadas.



A sobranceria benfiquista não se deve à obsessão pelas vitórias, mas ao facto de quando ganharmos sermos capazes de o fazer sozinhos, por todo o mundo e por aí perceber a verdadeira dimensão mundial da maior Instituição portuguesa.



A sobranceria benfiquista parte de uma democraticidade entre os adeptos que os faz pensar pela sua própria cabeça, que condena veementemente e faz corar de vergonha o universo encarnado por as luzes do Estádio da Luz terem sido apagadas após o términus do jogo, críticas que seriam impensáveis no clube monolítico como aliás tivemos sucessivos exemplos ainda no passado recente e se quisermos ser ainda mais actuais, com a reincidência de ontem na Casa do Benfica de Gondomar. A sobranceria benfiquista não parte de líderes cooptados há 30 anos, que quão imperadores tudo o que dizem é palavra de lei em alguns lugares.



A sobranceria benfiquista é entristecermos nas derrotas, mas nos pouparmos a humilhações de ver o clube envolto em corrupção e episódios obscuros nos últimos 30 anos, sistemáticos e previsíveis.



A sobranceria benfiquista é celebrar vitórias genuinamente, sem mas ou meio mas, são elas vitórias claras e inequívocas de quem apenas foi melhor e não precisa de tratamento especial, de ajudas, de controlar Arbitragem e a Disciplina ou oferecer bilhetes a juizes ou viagens a árbitros como forma de perpetuar uma qualquer hegemonia.



A sobranceria benfiquista permite que a comitiva do FC Porto se passeie antes de um Clássico em Lisboa e no Parque Eduardo VII numa Liga inquinada, enquanto que os seus atletas um ano antes numa Liga transparente foram vaiados, apedrejados e por pouco não ficaram cegos.



A sobranceria benfiquista não exige especial tratamento jornalístico e que os profissionais da comunicação social nos tratem com mordomias porque as nossas susceptibilidades são sensíveis à medida da nossa mania da perseguição e pequenez.



A sobranceria benfiquista não reclama exclusividade no Marquês como se fez o ano passado nos Aliados, a sobranceria benfiquista se subjuga alguém fá-lo involuntariamente pela própria grandeza do clube, e não premeditadamente.



A sobranceria benfiquista consiste em ganhar contra todos e festejar sem ser contra ninguém, sem obsessões de espalhar o caos pelos adversários à luz de vantagens indirectas.



É algo único e incompreensível para terceiros, termos sobrevivido à maior crise da história de um grande em Portugal e sem grandes vitórias ainda sermos maiores. Contra tudo e contra todos reerguemos o clube e sabemos defender-nos de estratégias de conspiração como o artigo trauliteiro deste Alberto, e ainda lhe damos o devido desconto por não enxergar o suficiente e ver que a cassete dos últimos 30 anos é dele e de quem ele se presta.



Que fique assente que é preciso mais, mas muito mais do que este «desunir para reinar» made in Pedroto para aumentar celeuma sobre esta direcção. Porque não um «Apito Encarnado» quando há novelistas deste calibre no jornal Record?



Aqui: http://www.anti-benfica.com/comartigos_record6abril2011_alberto_do_rosario.php

por sabio






o grunhir dos camaleões !


                                    o camaleão 







Pecado capital


PRESSÃO ALTA

 Autor: RUI SANTOS

quinta-feira, 7 abril de 2011 Partilhar63

Pinto da Costa vai ficar na história do futebol português. Pelos melhores e piores motivos. A hegemonia do FC Porto foi construída sobre os abusos de um país fascista e centralizado.....

vindo de quem bem isto sera verdade ...




por sabio

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Os dementes Anti-Benfica




06/04/2011 FUTEBOL


Comunicado

O sensacionalismo sem fundamento



Há poucas palavras que possam explicar ou justificar a “manchete” de hoje do jornal Record. Cardozo é um dos melhores goleadores de sempre do Sport Lisboa e Benfica, é jogador do plantel e merece todo o apoio, independentemente do cartão “encarnado” e consequente expulsão do último jogo.



Cardozo foi aposta do actual presidente do Benfica e continua a merecer da parte dele toda a confiança. Dizer o contrário e dar-lhe de roupagem de notícia, como esta manhã foi feito, é um exercício imprudente e mesquinho e que só o sensacionalismo pode justificar.



Por sabio


Força Benfica .... força Benfica ... força Benficaaaaaaaaa






É esse o nosso «destino», compreender os bastidores de quem tem imensas dificuldades em vencer por si próprio e então usa o truque de usar terceiros para manietar os adversários no seu raio de acção, se possível subjugando-os ao poder dos corruptos mafiosos gatunos e selvagens deste mundo do vale tudo para denegrir a imagem dos outros ate um dia! Ate um dia, que o caldo se entorne e vamos ver quem vai ter de comer a sopa e pagar a factura destas MENTIRAS e destas patranhas todas contra o NOSSO GLORIOSO  SPORT LISBOA E BENFICA...




por sabio


 A LUTA CONTINUA ! NO DESPORTO EM PORTUGAL

  
 pela verdade DESPORTIVA contra tudo e contra todos ....






O GRUNHIR DOS PORCOS AZUIS E BRONCOS






  continua a gripe dos porcos em portugal!!!....



os porcos ainda vivem da pia dos ladrões das antas .........



Os ratos e os porcos azuis deste pais apenas vão ao cheiro da comida e não são cumpridas regras elementares a ter quando se ocupa um lugar natural e se escreve o que bem lhe apetece por isso eu também me apetece dizer o que sinto em relação a este animal. ..






AOS INVEJOSOS !.. AOS RESSABIADOS ! AOS CORRUPTOS ....


                                 MORRAM TODOS DE INVEJA SEUS PELINTRAS




mais um texto de uns  RESSABIADOS covardes é mafiosos da escrita de merda antidesportiva !
estes covardes  não tem coragem de lhes dizer na cara ! e dizem pelas escondidas e palas caladas do rescord  , morram todos de cancro mas rapido





Sobranceria encarnada, por Alberto do Rosário

06 abril de 2011
08:00

Colocado por: Alex Pais Partilhar



Nos vencedores consistentes, a sobranceria arrepia. Mais arrepia, acrescida do ridículo, nos perdedores e, ainda mais, em vitórias esporádicas. Com os fracassos do presente, os líderes do Benfica não deixam o clube libertar-se dos anos 60. Faz parte do fatalismo português, o passado a driblar o presente.



Nos últimos 30 anos, o palmarés do Benfica é medíocre. No ano passado, foi campeão e inchou, inchou de sobranceria como se esta transformasse uma águia num dragão. Tanto inchou que rebentou, sem chegar a dragão, no domingo, na Luz.



O Benfica perdeu e perdeu bem, ao chuto para a frente respondeu o FCPorto com futebol apoiado e oportunidades de golo, com cheiro a goleada. A nota artística foi elevada – essa das notas artísticas é delirante – mas no final do jogo, com silhuetas recortadas no escuro a serem regadas por potentes jatos de água. Milhões de espectadores, em todo o Mundo, admiraram as notas artísticas do Benfica. E o maestro não é eletricista.



Quanto uma liderança não se enxerga, não pode permitir que se enxerguem os festejos de um campeão.


Bilhar grande, publicado na edição impressa de Record de 6 abril 2011




Vai ver que você é daltônico e ainda não sabe ! se veja ao espelho seu  verme ....

Uma vil cobardia de  texo de um jagunço ou de um demente

Se a evolução é o resultado de milhões de anos de predação, dor, sofrimento e morte, e o ser humano é um mero acidente cósmico, porque é que nos devemos comportar eticamente?»



AS MÁFIAS NA CIDADE DA INVICTA

PS: Já oiço os gritos de protesto, que isto é um atentado aos direitos das pessoas e mais o camandro... É engraçado como as pessoas confundem estas coisas dos direitos. Tanto quanto sei ninguém tem o direito de destruir o bom nome das pessoas por que e crime e ma fé, mas como a nossa democracia levaria trinta anos a condenar estes porcos nem falar de justiça quero e mas dar-lhe duas bofetadas no focinho para outra vez pensar duas vezes antes de difamar ou enxovalhar a instituição SPORT LISBOA E BENFICA...
Por Sabio





 O DIREITO A RESPOSTA  AO PASQUIM RECORD





Sobranceria


Alberto do Rosário, jornal Record

6 de Abril de 2011











Depois da capa sui generis de hoje e de algumas notícias próprias de uma qualquer hecatombe que vem sendo fabricada desde o início trôpego da Liga, o facto de Alexandre Pais dar voz a um tal de Alberto do Rosário é coisa de somenos.



Se por um lado é certo que essa coragem selectiva, apenas se torna possível porque jamais o Benfica teve promiscuidades com António Tavares-Teles e no inverso Senhores como Carlos Pinhão entre muitos outros foram aviados por terem a coragem de dizerem as verdades, não deixa de ser triste constatar a falta de nível de alguns escribas em geral e do jornal Record em particular. Faz parte daquela verdade a que temos direito tão intensamente perseguida pelo director Pais.



Contrariamente a outros, o Benfica sempre foi um clube aberto, e continua a sê-lo, pese embora como se deva compreender ainda que não se faça grande esforço para isso, seja capaz de gerar os anti-corpos necessários para eliminar certos tipos de jornalismo rasca.



As relações entre o Benfica e Record azedaram a partir do momento que o jornal se prestou a teorias descabidas que de uma forma ou de outra, afectaram o bem estar da nação benfiquista e pouco contribuiram para os devidos esclarecimentos da opinião pública. A prática continuada de teorias especulativas e sensacionalistas que como sabemos continuam a fazer as delícias de algumas mentes paradas no tempo.



Algo que os adversários, ou inimigos caso eles prefiram, ainda não compreenderam, é que a sobranceria benfiquista não assenta única e exclusivamente no clube que o Benfica foi na década de 60, nas vitórias, ou na glória.



A sobranceria benfiquista traz-nos um Benfica pioneiro, dando luz e empreendendo medidas inovadoras como fundos de jogadores e televisões, entre muitas outras que, após o desdenho adversário, lá seguem as pisadas. A sobranceria benfiquista chega através de uma consciência social, pela voz e engenho de projectos sociais de envergadura protagonizados pela Fundação Benfica, que ainda recentemente contribuiram para o conforto de alguns madeirenses e haitianos, para além dos protocolos que sucessivamente vêm sendo assinados e que servem centenas e centenas de crianças de zonas problemáticas e carenciadas.



A sobranceria benfiquista não se deve à obsessão pelas vitórias, mas ao facto de quando ganharmos sermos capazes de o fazer sozinhos, por todo o mundo e por aí perceber a verdadeira dimensão mundial da maior Instituição portuguesa.



A sobranceria benfiquista parte de uma democraticidade entre os adeptos que os faz pensar pela sua própria cabeça, que condena veementemente e faz corar de vergonha o universo encarnado por as luzes do Estádio da Luz terem sido apagadas após o términus do jogo, críticas que seriam impensáveis no clube monolítico como aliás tivemos sucessivos exemplos ainda no passado recente e se quisermos ser ainda mais actuais, com a reincidência de ontem na Casa do Benfica de Gondomar. A sobranceria benfiquista não parte de líderes cooptados há 30 anos, que quão imperadores tudo o que dizem é palavra de lei em alguns lugares.



A sobranceria benfiquista é entristecermos nas derrotas, mas nos pouparmos a humilhações de ver o clube envolto em corrupção e episódios obscuros nos últimos 30 anos, sistemáticos e previsíveis.



A sobranceria benfiquista é celebrar vitórias genuinamente, sem mas ou meio mas, são elas vitórias claras e inequívocas de quem apenas foi melhor e não precisa de tratamento especial, de ajudas, de controlar Arbitragem e a Disciplina ou oferecer bilhetes a juizes ou viagens a árbitros como forma de perpetuar uma qualquer hegemonia.



A sobranceria benfiquista permite que a comitiva do FC Porto se passeie antes de um Clássico em Lisboa e no Parque Eduardo VII numa Liga inquinada, enquanto que os seus atletas um ano antes numa Liga transparente foram vaiados, apedrejados e por pouco não ficaram cegos.



A sobranceria benfiquista não exige especial tratamento jornalístico e que os profissionais da comunicação social nos tratem com mordomias porque as nossas susceptibilidades são sensíveis à medida da nossa mania da perseguição e pequenez.



A sobranceria benfiquista não reclama exclusividade no Marquês como se fez o ano passado nos Aliados, a sobranceria benfiquista se subjuga alguém fá-lo involuntariamente pela própria grandeza do clube, e não premeditadamente.



A sobranceria benfiquista consiste em ganhar contra todos e festejar sem ser contra ninguém, sem obsessões de espalhar o caos pelos adversários à luz de vantagens indirectas.



É algo único e incompreensível para terceiros, termos sobrevivido à maior crise da história de um grande em Portugal e sem grandes vitórias ainda sermos maiores. Contra tudo e contra todos reerguemos o clube e sabemos defender-nos de estratégias de conspiração como o artigo trauliteiro deste Alberto, e ainda lhe damos o devido desconto por não enxergar o suficiente e ver que a cassete dos últimos 30 anos é dele e de quem ele se presta.



Que fique assente que é preciso mais, mas muito mais do que este «desunir para reinar» made in Pedroto para aumentar celeuma sobre esta direcção. Porque não um «Apito Encarnado» quando há novelistas deste calibre no jornal Record?

 obrigada ao Anti-Benfica.COM

Aqui:  http://www.anti-benfica.com/comartigos_record6abril2011_alberto_do_rosario.php




por sabio









Os ratos e os porcos azuis deste pais apenas vão ao cheiro da comida e não são cumpridas regras elementares a ter quando se ocupa um lugar natural e se escreve o que bem lhe apetece por isso eu também me apetece dizer o que sinto em relação a este animal e PORCO vestido de azul . ..










Os ratos e os porcos azuis deste pais apenas vão ao cheiro da comida e não são cumpridas regras elementares a ter quando se ocupa um lugar natural e se escreve o que bem lhe apetece por isso eu também me apetece dizer o que sinto em relação a este animal. ..
















segunda-feira, 4 de abril de 2011

Os CORRUPTOS os INFELIZES e os LADRÕES

                                    
 

                                                               

Cair do pano


4 de Abril de 2011


Finalmente ‘caiu o pano’ sobre mais um campeonato de vergonha, em que o futuro campeão foi anunciado logo a partir do términus da primeira jornada.



Se estabelecermos um paralelismo com o passado recente (ou até mais distante), constataremos que tivemos uma situação similar a tantas outras que foram paulatinamente ocorrendo nas últimas dezenas de anos.



Analisando friamente a situação, diremos que por conluio de um conjunto de forças há largos anos implantado em sectores vitais da sociedade portuguesa, o nosso campeonato sofre de uma viciação permanente como qualquer espectador imparcial que se preze constata, em que se simula pluralidade onde apenas e só existe unicidade.



De tal maneira que só um clube a efectuar uma época excepcional consegue de alguma forma ombrear com os azuis e brancos, tal a correlação de forças que, contrariamente aquilo que alguns querem fazer crer, não se circunscreve apenas e só ao plantel de jogadores e respectiva equipa, mas sim a outras forças bem mais poderosas que se movimentam na penumbra e que... resolvem.



Para nos determos apenas nos últimos dois anos, reparem que a diferença se situou apenas na época transcendente que o Benfica efectuou na última época e mesmo assim o título durou até à última jornada e o FCPorto nem sequer estava na corrida! Ou seja, um Benfica normal é e será sempre insuficiente para disputar o título porque não lhe basta ser melhor, terá sempre que ser muito mas muito melhor.



Dito de outra maneira, aquilo que ficou evidente esta época foi que o título ficou logo entregue à 1ª jornada , pois os azuis e brancos ficaram desde logo com uma vantagem de 3 pontos do Benfica quando se não fosse a adulteração arbitral a situação seria de 2 pontos mas de desvantagem. E sabe-se como os 1ºs resultados são importantes.



Têm-se afadigado alguns e não necessariamente portistas em demonstrar a evidência do produto final, omitindo a matéria-prima e sobretudo a forma como é manufacturado. Convenhamos que é uma tentação irresistível que serve para esconder a verdade dos factos.



Porque essa intensa bajulação até de pessoas com suficiente experiência e que deveriam manter equidistância porque a isso as obriga a sua profissão, esbarra nestas perguntas elementares:



Se o FCPorto foi assim tão superior, se os portistas estão noutro patamar, qual a razão porque foram utilizados diversos tipos de expedientes para empurrar para baixo o Benfica? Porque foram as arbitragens tão penalizadoras para os encarnados e tão benévolas para os portistas? Porque foi exercida uma intensa pressão? Como se explicam as agressões, as intimidações e os actos de vandalismo?



Entendemos isso como fazendo parte da cultura pintista, em que a simples aparição de alguns palhaços tem o condão de nos divertir. Já percebemos há muito que é o próprio futebol e o desporto em geral que são ultrapassados por objectivos mais abrangentes e mais latos. É preciso perceber todas as movimentações dos últimos 30 anos para se entenderem todas motivações que se escondem, por detrás das várias atitudes e actuações.



No entanto, tem havido alguns benfiquistas que nunca perceberam isso e enveredaram por um modus-operandi que culturalmente nada tem a ver com o clube nem com eles. Ainda ontem tivemos oportunidade de assistir a alguns macacos de imitação que conduziram o Benfica a ser situado no mesmo patamar de irresponsabilidade de que têm dado mostra os portistas.



Têm que entender de uma vez por todas que não é com vinagre que se apanham moscas. Apesar de compreendermos as suas motivações, o seu desencanto por não verem as autoridades (todas) porem cobro a uma situação deveras intolerável num país que se afirma democrático, nada mas mesmo nada, justifica as suas acções que longe de resolver seja o que for, enxovalham o nome do clube, da esmagadora maioria dos seus adeptos, e acabam por dar ases a quem só tinha duques neste capítulo.



Perguntar-nos-ão: então se quem de direito não age e se continuamos a ser enxovalhados, deveremos aceitar os factos passivamente? A única certeza que temos é que não é com actuações das do tipo de ontem que se resolve qualquer situação.



aqui:   http://www.anti-benfica.com/artopiniao_cair_do_pano.php




Ps: Em Gondomar um energrumeno dos das antas foi TER cuidados medicos no hospital  PARA SABER como e entrar dentro de uma casa do BENFICA e começar a dar batatada a quem la está ...


O SPORT LISBOA E BENFICA...


Tem que lutar contra tudo e contra todos…

Tenho vergonha deste pais de covardes e gatunos AZUIS e não só ...



Por sabio






Horas depois do caso Mourinho, Antero Henriques, dirigente da SAD, prepara com Pinto da Costa as primeiras explicações para negar os insultos de Mourinho e o caso da camisola rasgada.








Antero Luís (A) - Foda-se! Não dormi um caralho! Estou com uma enxaqueca, pá.







Pinto da Costa (PC) - Filhos da puta.... [...] Tínhamos morto esta merda ontem [...]







A - Embora eu ache que o Mourinho, no final, também se exaltou muito!







PC - É, um bocado.







A - É! Aquela história de dizer que o Rui Jorge morreu em campo e...







PC - Ele disse aonde?







A - Ele diz que disse cá em baixo, disse cá em baixo, junto a... quando estava a malta toda ali! Mas eu liguei para a 'Bola' e para o 'Jogo' a desmentir! A dizer que ele estava a dizer que era mentira!







PC - Não, não! Não... não é desmentir! A gente tem é de processar o gajo que diz! [...]







A - É... e em relação à camisola, também tem de se arranjar ali uma tanga, presidente!







PC - Arranjar que ele foi provocar para a porta do balneário!







A - É. E que o Mourinho disse que: "Esta camisola é indigna de ser trocada. Porque se a tivesse rasgado não a mandava outra vez para o balneário do Sporting." [...] É! Temos de arranjar aí uma tanga, senão saímos por baixo desta merda toda.







PC - Mas já falou com o Mourinho, não?







A - Não, não, não. Vou agora com ele ver o Rio Ave, agora, às quatro horas!







PC - É... mas diga-lhe, é pá! Ele que não preste dec... diga-lhe só...







A - Não, por isso é que vou com ele! Por isso é que vou com ele!







PC - E amanhã é um processo-crime contra...







A - É...







PC - Esse Bettencourt e os jornais carago!







A - É que esse gajo é mesmo um cobarde!




Por sabio ...











Um país onde os gatunos os corruptos e chulos do fê cê Pê são as estrelas do circo futebolistico …














































continua portugal que o fim esta proximo ....




















Por sabio