sexta-feira, 17 de outubro de 2008

o pasquim da mentira

17/10/2008
S.L.BENFICA
CLUBE
Comunicado
Uma grave falha deontológica

Vivemos tempos em que uma notícia já não é a descrição de uma realidade, mas sim a elaboração que determinado(s) jornalista(s) faz(em) dessa realidade. Tempos que deveriam obrigar a uma rigorosa verificação dos factos que são noticiados, condição de rigor e sinal de respeito, não só em relação ao público que ‘atingem’, mas igualmente em relação às pessoas ou instituições que são visadas.A edição de hoje do jornal Record publica uma notícia que tem tanto de sensacionalista como de falsa, com uma agravante ‘indesculpável’ nos dias de hoje: sobre a matéria publicada, nenhum dos autores procurou ouvir os responsáveis do Benfica, como deontologicamente a profissão obriga. Só duas razões podem justificar tal comportamento: ou incompetência ou má fé.A notícia, sob o título “Em estado de sítio”, fala do Futsal do Clube, adjectivando e descrevendo, com base em ‘fontes anónimas’, um cenário ficcionado de “instabilidade” e “insatisfação” dentro da equipa. A realidade é outra e bem diferente.Como se pode falar de instabilidade quando todos os atletas prolongaram os seus vínculos contratuais? Na última Assembleia Geral do Sport Lisboa e Benfica, o Presidente Luís Filipe Vieira foi claro em relação às modalidades, reiterando o seu compromisso em relação ao ecletismo do Clube, mas foi igualmente reafirmada a necessidade de alcançar resultados equilibrados, mantendo uma gestão de rigor.O Presidente do SL Benfica tem como principal preocupação a sustentabilidade dos projectos a médio prazo e a credibilidade da instituição. Foi precisamente em função deste princípio e para salvaguardar a ‘estabilidade’ do grupo que foi explicada aos atletas do Futsal a impossibilidade de manter a política salarial praticada no passado e que se revelaria incomportável no curto prazo. Foi-lhes transmitido que o SL Benfica só poderia assumir compromissos que pudesse cumprir, manifestando total abertura e compreensão em relação àqueles que quisessem procurar novos rumos.Mesmo assim, o Sport Lisboa e Benfica continua a ter o plantel mais caro do campeonato português, numa clara aposta na modalidade e reconhecendo – desta forma – o valor dos seus jogadores.Todos os atletas manifestaram vontade em continuar a fazer parte do ´projecto’! Como se pode falar, então, de insatisfação? Razões de insatisfação real haveria se, no futuro, o Sport Lisboa e Benfica não pudesse cumprir com os contratos assumidos e baseados em políticas irresponsáveis de gestão orçamental. O que foi proposto e aceite por todos os atletas foram contratos justos e responsáveis face àquilo que são as capacidades do Sport Lisboa e Benfica e o cenário actual de toda a economia.De realçar a compreensão evidenciada pelos atletas. Todos entenderam o problema e todos partilharam da solução.Ordenados em atraso houve, no passado, quando os compromissos assumidos ultrapassavam as disponibilidades do Clube. Mas o passado não é presente, nem será, seguramente, o futuro. Mesmo assim, por vontade própria, ou instigado por alguém, o Record decidiu inscrever mais esse elemento na notícia publicada.O jornalismo compromete os seus profissionais com princípios de isenção e as relações pessoais que possam existir com ex-dirigentes do SL Benfica não podem contaminar o trabalho de quem exerce uma profissão baseada na verdade e no rigor. Finalmente, o jornal fala de ‘reforços’, afirmando que ‘quem não aceita as novas condições… tem a porta aberta’, quando na verdade só houve um reforço, com o qual o SL Benfica está a cumprir com tudo o que foi acordado no momento da sua contratação.O Sport Lisboa e Benfica conta com todos aqueles que querem estar e vestir e sentir a camisola do Clube. Felizmente, todos os atletas do Futsal demonstraram essa disponibilidade e o desejo de continuar a servir o Sport Lisboa e Benfica. Temos satisfação e orgulho nessa demonstração!Traçámos um rumo feito de rigor, com critérios de avaliação e muita exigência. É por aí que vamos continuar. Todos os treinadores e seccionistas das modalidades têm participado na definição dos objectivos e respectivos orçamentos. Algo que não acontecia no passado!

Sem comentários: