sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

A mafia verde e a mentira azul

          QUEM FALA ASSIM.. MERECE SER RESPEITADO SEMPRE








As arbitragens foram assim tão determinantes no início do campeonato?
- O Benfica foi muito prejudicado em dois jogos: na primeira jornada, em casa, com a Académica e, depois, em Guimarães. Jogos que determinaram, no fundo, aquela que é hoje a diferença pontual entre o Benfica e o primeiro classificado. E essa diferença foi conseguida graças a erros grosseiros, que saltaram à vista. Tão gritantes que foram confirmados, até, pelo próprio Presidente da arbitragem. E esses erros de catedral também condicionaram o rendimento dos jogadores, sobretudo o daqueles que se estavam a adaptar. Ultrapassada essa fase de adaptação, os erros de arbitragem continuaram, mas o Benfica também começou a produzir mais. A verdade é que esses dois jogos, esses seis pontos perdidos, tiveram a ver exclusivamente com erros grosseiros de arbitragem. Não nos cansaremos de repetir isto, para que as pessoas não o esqueçam e percebam que as actuais contas, na classificação do campeonato, têm por base ajudas a uns e prejuízo para o Benfica. Ajudas a quem vai à nossa frente.» Fonte: A Bola

por: karlos

SUJIDADE NO FUTEBOL PORTUGUÊS
Aos Recos recos as Abolas e os Nojos desportivos
Rescaldo de semana europeia na imprensa desportiva de hoje com um pequeno apanhado de alguns jornais europeus.
Curiosamente, no país que consegue apurar 6 equipas para as provas europeias esta época, o desprezo pelos resultados na UEFA é, no mínimo, embaraçoso. Os mesmos jornais que se preocupam tanto com os rankings europeus, onde Portugal luta com França e Rússia pelo 5º lugar, e onde, outrora, destacava o desempenho uefeiro de clubes nacionais que abriam portas para o apuramento de outros, agora é tudo chutado para canto.
O que interessa é o CJ, o CD da FPF e tudo o que gravita à volta daquela coisa sem importância que se joga num relvado durante 90 minutos e que até parece atrapalhar a verdadeira luta de quem quer vencer a todo custo por via de influências, pressões, ameaças, comunicados e falatório incendiário e interrupto.
Clubes portugueses a caírem perante clube alemães nem é vergonha nenhuma para ninguém, embora no caso do Bayer Leverkusen até tenha sido a primeira vez que os farmacêuticos conquistaram um apuramento em eliminatórias com clubes do nosso campeonato. O Belenenses e o Benfica, por duas vezes, foram felizes contra o Bayer.
Talvez fosse interessante vermos os jornais dissecarem sobre esta nova moda assustadora de vermos clubes aliviados por serem rapidamente afastados das provas da UEFA. Na mesma época a caírem da Champions para a Liga Europa e sempre com pressa de sair. Não faz sentido quando são os mesmos jornais a alimentarem as suas páginas com sonhos europeus, recordando epopeias de provas ganhas no passado, de motivarem clubes mais pequenos a lutarem pelo complicado apuramento europeu. Tanto trabalho para depois saírem quase todos airosamente em Fevereiro?!
E as capas de reacção a esse descalabro, e em alguns casos desprezo, é falar de siglas de órgãos que mexem no nosso campeonato?
Temos mesmo o futebol que merecemos. Hoje em dia em Portugal são felizes todos aqueles que sabem na perfeição o que são e o que significam as siglas CJ, CD, APAF e afins. São felizes aqueles que sabem quem são os homens que votam e não votam nas reuniões dessas organizações, quem sai e quem vem, porque vão e que querem vir. São felizes todos aqueles que suspiram a cada comunicado no facebook reproduzido com pompa e circunstância nas páginas dos tais jornais com chamadas de capa. Jornais que não hesitam em destacar na capa a prisão imaginária de dois adeptos de futebol que invadiram um relvado para tocarem nos seus ídolos mas já têm pudor em destacar o fracasso de dois grandes clubes de futebol numa competição que era para ganhar, como se pode ler em Dezembro nas mesmas páginas.
Ponderar sobre o facto de termos nesta altura da época a Espanha com 7 clubes em prova, todos os que começaram a época na Europa, a Alemanha com 4 dos 7, a Inglaterra com 6 dos 8, a Itália com 3 dos 6 e Portugal com apenas 2 dos 6, ao nível da Ucrânia e Bélgica, não parece ser importante nem interessante. O que isto importa quando podemos falar do CJ e do CD?
Os craques dos comunicados, dos circos televisivos, das patetices das redes sociais, das tagarelices choronas estão a ganhar em toda a largura.
Se vão sobrar interessados em futebol entre as gerações mais novas e futuras, é coisa que não preocupa ninguém. Ganhar os derbys dos CJ-CD para depois tentarem ganhar qualquer coisa no final da época é que é o caminho, e vale tudo com a bênção dos jornais.
Pobre futebol.
inRedPass blogspot
por : karlos

terça-feira, 25 de agosto de 2015


 QUEM E O BI CAMPEÃO QUEM E

                          POIS CLARO O GLORIOSO

                                                   SPORT LISBOA E BENFICA

 




O RESTO SÃO EGUAS AZUIS E VERDES A ZURRAR POR MAIS PALHA .


ATE OS XULOS TEM VOZ NO FUTEBOL EM PORTUGAL,EM VEZ DE O INVESTIGAR DE ONDE BEM O GRAVETO PARA TANTA FARRA ,NÃO SE PASSA NEPIA









Benfica sempre!

Passaram-se muitos dias depois da triste exibição do Benfica em Alvalade, e só hoje tive coragem de


Somos de todos um, somos como mais nenhum, somos mais do que aquilo que se diz porque somos a bandeira de um país!

Passaram-se muitos dias depois da triste exibição do Benfica em Alvalade, e só hoje tive coragem de pensar e escrever algo sobre o Benfica, tal foi a vergonha que senti após aquele jogo tão fraco por parte dos homens de "encarnado". Nunca esperei que o Benfica encarasse aquele jogo de forma tão displicente, e depois de ouvir os responsáveis do clube da águia desculparem-se mais uma vez com a arbitragem, pior fiquei. Deu-me vontade de entregar o meu cartão de sócio, pois não pago quotas e vou aos jogos para ver tristes espetáculos de futebol e choraminguices de maus perdedores.

O Sporting venceu, e venceu bem, só pecou por o resultado ser escasso. O árbitro errou?! Errou e bastante, mas o Sporting não teve culpa, porque o sr.º árbitro não foi para Alvalade para beneficiar o Sporting, ele foi para prejudicar o Benfica. Por isso os jogadores e equipa técnica só tinham que estar alertas e terem deixado a "pele"em campo e jogado para vencerem, coisa que não se verificou. Por isso, e graças a teimosias do "ganda" Jorge Jesus, mais uma vez dizemos adeus a um título que era tão fácil de o conquistar. Se tivermos de agradecer, ou culpar, alguém por isso, é o "ganda" mister Jorge Jesus.

É nestes momentos em que temos que nos lembrar, os jogadores, os treinadores e os dirigentes passam, os adeptos e o clube ficam, por isso, agora e sempre... VIVA O BENFICA!

Benfica eu sou do coração, Benfica até debaixo de água na derrota ou na vitória. Estou triste com este Benfica, mas mesmo assim tenho o maior orgulho em pertencer e amar o maior clube do mundo! Benfica sempre, sempre Benfica!


Benfica sempre!

Marco Gourgel
23 de Abril de 2012, às 12:55


aqui: http://relvado.aeiou.pt/benfica-sempresempre-benfica-392091


Cada um tire as suas ilações


   Forçaaaaaaaaaaaaaaaa Benficaaaaaaaaaaaaaaaa

      FORÇAAAAAAAAAAAAAAAAAAA CAMPEÕESSSSSSSSSSSSSS


 FORÇAAAAAAAAAAAA RUI VITORIA VAMOS GANHARRRRRRRRRRRRRRRR





segunda-feira, 19 de maio de 2014

S.L.Benfica o campeão dos campeões ....

A LUZ QUE ILUMINA O
                                                    S.L.BENFICA SEMPRE...



 SOMOS LIBERDADE !... SOMOS TODOS UM POR UM !....BENFICA

SOMOS A BANDEIRA DE UM PAIS...

BENFICASEMPREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE..

SOMOS S.L.B. S.L.B. S.L.B. S.L.B.




  O PLANETA  S.L. BENFICA


CONTRA TUDO E CONTRA TODOS RUMO AS VITORIAS FINAIS..


               FORÇAAAAAAAAAAAA BENFICAAAAAAAAAAAAAAAAA


                            CARREGAAAAAAA  BENFICAAAAAAAA


                     O DOPING DOS CAMPEÕES


CAMPEÕES ...... CAMPEÕES...... CAMPEÕES. DA TAÇA DE PORTUGAL




A cereja no topo do bolo

19 de Maio de 2014 Partilhar no Facebook

Completou-se ontem a terrível maratona de 57 jogos disputados pelo Benfica na temporada de 2013/14. Com a particularidade do calendário das várias provas internas e externas não ser elaborado com critério desportivo e uniforme de forma a salvaguardar princípios básicos de equidade e preservação dos atletas. Pelo contrário, mais uma vez, foi-o ao sabor de ventos e marés de natureza bem mais apelativa, como seja, por exemplo, a fatia decisiva dos direitos televisivos e dos patrocinadores. E já nem sequer nos referimos aos jogadores internacionais que no âmbito das respectivas Selecções disputam ao longo da época jogos de qualificação e apuramento, com vários deles a estarem sujeitos a sistemáticas viagens transatlânticas altamente desgastantes.

Já tivémos o ensejo de nos referir por diversas vezes a este tema que em vez de se atenuar tende a expandir-se, visto os calendários não serem articulados entre as entidades que dirigem o Futebol (FIFA, UEFA, Confederações, Federações e Ligas). Cada um pugna pela defesa dos seus interesses e quem sofre com isso são em primeira instância os jogadores e por reflexo os clubes. É evidente que os mais abastados e com possibilidade de terem um plantel mais alargado e com melhores soluções estão obviamente em vantagem. Mas até aí se começa a notar o efeito negativo dessa política, pois se olharmos para o mapa europeu, observamos que na dúzia de Ligas mais cotadas no ranking, apenas na Alemanha (o Bayern de Munique) e em Portugal (o Benfica) conseguiram fazer a dobradinha.

Este resultado, permite naturalmente várias leituras. Pode querer significar uma maior competitividade entre os clubes o que, sendo de alguma forma verdade, não permite assumir de forma peremptória essa conclusão, porquanto pelo que voltámos a ver esta época e salvo a excepção inglesa, são praticamente sempre os mesmos dois ou três clubes em cada país a assumirem-se como únicos candidatos a ganhar as provas internas. Mas como são normalmente esses clubes que disputam também as provas europeias, a forma como os calendários são elaborados provoca um enormíssimo desgaste físico e psicológico nessas equipas e acaba por atenuar a diferença competitiva para as restantes.

Olhando para aqui ao lado veja-se o estado em que ficaram os três primeiros classificados e a catadupa de lesões e cansaço muscular que atingiu os jogadores. Até os mais sólidos e resistentes sucumbiram a essa maré dada a sua utilização intensiva. Messi, Cristiano Ronaldo e Diego Costa (para só citar um de cada clube), estão presos por arames. Mas a época ainda não terminou pois o Mundial do Brasil já está a chegar, sendo que a questão que se coloca é em que condições se apresentarão os mesmos depois de uma época tão cansativa com jogos decisivos sucessivos no último terço da época pois coincide com a fase decisória das provas.

Foi um Benfica afectado pelos mesmos males que se apresentou ontem no Jamor para tentar alcançar o que ainda ninguém tinha alcançado. Para além das lesões traumáticas que afectaram alguns dos principais jogadores e sobre isso nada a acrescentar a não ser o azar que os perseguiu e que afectou o Clube que deles ficou privado por largos períodos, dos cartões cirúrgicos que reduziram ainda mais as opções, viu-se bem o estado em que ficaram (depois de um ciclo terrível de jogos todos de capital importância num escasso período de tempo), no fim do prolongamento de Turim.

Apesar de poder contar com 3 jogadores frescos, por mais que os experts argumentem com os períodos de recuperação seria manifestamente impossível no fim de uma época assim, os atletas terem a capacidade de recuperação suficiente para ombrear do ponto de vista físico com um adversário que, felizmente para ele, para um jogo motivador e de oportunidade única, teve a oportunidade de se preparar com todo o tempo do mundo. Mas limitou-se, apenas, a gerir as possibilidades que se lhe ofereceram. Uma calendarização mais cuidada teria atenuado o efeito desgastante que afectou o Benfica. Amanhã poderá ser outra equipa.

Ainda assim, enquanto se mantiveram os níveis físicos, o Benfica marcou a diferença e adiantou-se com toda a justiça no marcador. Pena que só tenham durado uma parte. Mas não podemos deixar de referir algumas entradas merecedoras de outro critério disciplinar do árbitro (mas que se poderia esperar de Xistra?) que ainda diminuiram mais jogadores influentes como Enzo Pérez e Nico Gaitán. Isso fez-se sentir na etapa complementar. Com o afundanço físico dos jogadores encarnados, emergiu a qualidade do Rio Ave que controlou praticamente toda a 2.ª parte e até podia ter forçado o Benfica a prolongamento. Valeu então a força mental, a segurança defensiva e a entreajuda encarnada, para manter a sua baliza inviolada. Uma conquista épica que entusiasmou os benfiquistas e criou ainda mais azia em todos aqueles que não conseguem suportar o êxito dos outros. Mesmo que seja merecido. Para isso só há um remédio…

aqui: http://www.benficauniversal.com/artigos-opiniao/artigosopiniao-artigo.php?id=585


por karlos





O 2º maior clube de portugal anda com uma azia fodida  , o melhor remédio e gelo muito gelo q isso passa




 duas palavras para este gigante profissional  de seu nome LUISÃO .... obrigado capitão ...















terça-feira, 22 de abril de 2014

O S.L.Benfica no caminha da gloria


Como e lindoooo o nosso glorioso Benfica





CAMPEÕES !... CAMPEÕES !..... CAMPEÕES!.......O S.L.BENFICA




Estádio da Luz 


   Foi aqui :


Hoje agradecer a todos os profissionais do S.L.BENFICA por mais um titulo de campeão nacional.







O Benfica não se esquecerá do seu capitão sr Mário Coluna



O Benfica não se esquecera nunca do sr Eusébio da silva Ferreira

                         
                              O  CAMPEONATO NACIONAL TAMBÉM E VOSSO , obrigado 








                                                         Obrigada sr Jorge Jesus                         



Um mundo encarnado 

21 de Abril de 2014 

1. Embora todos os dados apontassem para que o Benfica se sagrasse campeão ontem à tarde, mandava a prudência que seria de todo conveniente colocar o preto no branco antes de dar largas à alegria que fervilhava há muito no coração dos adeptos e simpatizantes benfiquistas. Já sem sequer fazer alusão ao passado recente de que os mais renitentes ter-se-ão definitivamente libertado, e porque essa questão ganhou mais espaço e importância do que seria suposto e serviu para justificar muita coisa que em boa verdade não era exactamente como tinha sido vendida.
2. O que aconteceu então ao Benfica já sucedeu a outros emblemas de nomeada e não vale a pena ficarmos agarrados a situações que urge ultrapassar o mais rapidamente possível. No futebol tudo acontece célere, e as alegrias ou as tristezas do momento deverão ser assumidas e partilhadas numa perspectiva realista sempre com os olhos postos no futuro. E, nesse enquadramento lógico, a vitória de ontem foi o culminar de uma época que começou deprimente, foi dando passos lentos mas seguros, para terminar no que ao título diz respeito, numa apoteose que só os benfiquistas conseguem atingir.
3. Tal como seria expectável, no jogo de ontem ao Benfica não bastava dominar. Esperava-se um Olhanense fechado na defesa tentando eliminar todos os espaços que pudessem servir de trampolim para colocar a sua baliza em perigo. Para isso, era preciso mérito, alguma sorte e menor eficácia dos jogadores encarnados. Tudo isso aconteceu durante a 1.ª parte onde a despeito das oportunidades o golo não surgiu. Convém não esquecer que por mais que a experiência assista, a proximidade da vitória e com ela o título, acabou por exercer influência no sub-consciente dos jogadores. Foi o que se notou em alguns momentos do jogo e, à medida que o tempo ia decorrendo, nas bancadas. Era inevitável numa multidão que, ainda que embuída no mesmo desejo, era heterogénea na sua filosofia de abordagem ao jogo.
4. Desbravado o caminho, todo o entusiasmo e euforia confluiram para uma festa digna e própria de um clube com o prestígio e a dimensão do Benfica. A partir do momento em que Carlos Xistra deu a última apitadela o entusiasmo soltou-se definitivamente, e homens, mulheres e crianças irmanados no mesmo sentimento benfiquista soltaram o que lhe ia na alma numa manifestação forte e continuada. Os que tiveram o previlégio e a honra de nela participar e pouco importa se foi em Lisboa, no Porto, na mais recôndita aldeia de Portugal ou na saudade da diáspora, demonstraram ao Mundo e não só ao do futebol que o Benfica é um fenómeno incrível de massas que arrasta multidões e consegue superar-se a cada momento. E os que por impossibilidade ou por qualquer outra razão que não vem ao caso assistiram através da rádio ou da TV, puderam testemunhá-lo e sentir o mesmo orgulho dos que nela participaram directamente.
5. É reconhecido por uma parte significativa dos observadores e dos adeptos do futebol que o Benfica foi um justo vencedor do campeonato. Porque apesar de um mau começo, teve o mérito e a capacidade suficientes para dar a volta por cima e constituir-se na equipa mais consistente e regular e aquela que atingiu as melhores performances. Como repetidamente temos afirmado, o grupo de trabalho é um todo e os adeptos e simpatizantes não devem cair na tentação de individualizar nas derrotas, do mesmo modo que a receitadeverá ser igualmente aplicada na altura das vitórias. Para que a coesão do grupo não seja minada.
6. Contudo, recuando um pouco atrás e quando a velha teoria de Murphy parecia ditar leis, dois rostos emergiram como sendo os responsáveis: o presidente e o treinador. Por uma questão de coerência seria justo, agora, sublinhar a sua importante quota-parte na vitória. Embora reconhecendo isso mas mantendo a mesma filosofia, fazemos questão de destacar todo o esforço e labor do grupo de trabalho para alcançar o objectivo que neste momento anima o coração e a alma benfiquistas. E realçar em particular por ser inabitual, a presença de três elementos da formação – André Almeida, André Gomes e Ivan Cavaleiro. Esse terá sido, porventura, um aspecto sublime que nos faz perspectivar o futuro com confiança e optimismo. Todos, sem excepção, estão por isso de parabéns!
mais uma perola do benfica universal. obrigado 


por: karlos

segunda-feira, 21 de abril de 2014

O GLORIOSO E CAMPEÃO !.... CAMPEÃO!.. PARABÉNS S.L.BENFICA.....

Há os que amam jogar bola ou ver bola ser jogada. Jogar bola não é necessariamente jogar futebol. Obrigado, SPORT LISBOA BENFICA. Os que amamos o Futebol agradecemos por sua ressurreição.

Dito isso, faltaram ser citados aí o Benfica de Eusébio e Coluna, o Real de Di Stéfano, o Ajax de Cruyff, o Bayern de Beckenbauer, entre outros.

                                              O  MUNDO BENFIQUISTA

O futebol é delicioso, porque às vezes o pior ganha do melhor sem que ninguém consiga explicar, como o Chelsea o fez no ano passado na final. O que não se discute, e já não se discute há quatro anos (pelo menos), é quem é o melhor a jogar em Portugal  .

Mas sem duvidas o melhor e o SPORT LISBOA E BENFICA 



Alto mais alto, ninguém nos vai parar


         Diga 33 se faz favor ....

                                                                   O Campeão Voltou 

Título justo para uma equipa como o SPORT LISBOA E BENFICA  que desde o começo do campeonato foi competitivo – buscou o título. e ganhou, parabéns SPORT LISBOA  BENFICA..




Ver o melhor admitir que sua omnipresença não bastará é de uma humildade exorbitante. Os melhores são humildes e trabalhadores. E esse é um recado para o mundo inteiro. O do futebol e de qualquer área de actuação do ser humano.




                                            Obrigada JORGE JESUS 






                                                                Obrigada Luís Filipe Vieira 


                

                                       

                                                   
                                             Obrigada      Rui COSTA




Somos a Águia que no Céu vai voar...alto mais alto...ninguém nos vai parar. ... 

Somos a Águia que no Céu vai voar...alto mais alto...ninguém nos vai parar. 

O nosso canto é o desejo de vitória

Nosso destino é o de vencer

Nosso caminho é de fama e de glória

Nada temos que temer

Somos leais mas o jogo é para ganhar

Dentro do campo a sofrer

As camisolas vermelhas a suar

Benfica Vencer Vencer

Somos a águia que no céu vai voar

Alto mais alto ninguém nos vai parar

Somos a raça a força e o querer 


Benfica Vencer Vencer





Mais uma pérola de um ........ENORME BENFIQUISTA





O que também não se discute é que não basta ser o melhor. Todos querem vencer o melhor, todos trabalham buscando fórmulas e caminhos para vencer o melhor. Se o melhor não bota em prática aquilo que ele sabe fazer melhor do que os outros, poderá ganhar uma aqui, outra ali, mas eventualmente perderá. Como perdeu o Benfica o ano passado , como perdeu o BAYER. E esse é mais um dos tantos recados que foram passados hoje. Jogue. Mostre por que é o melhor. Rótulos não ganham jogos, eliminatórias nem campeonatos,e hoje somos CAMPEÕES por direito propio, por ter lutado contra tudo e contra todos..

     Forçaaaaaaaaaaa Benficaaaaaaaaaaaa

Os árbitros de futebol PORTUGUÊS  tem características muito parecidas com a maioria dos policiais que actuam nas nossas ruas. Policiais são profissionais pagos pela sociedade, pagos por mim e por você para nos proteger. No entanto, hoje temos mais medo de polícia do que de bandido. Em sua esmagadora maioria, são pessoas que colocam a farda e acham que, por isso, podem fazer o que quiser e tratar as pessoas como bem entenderem. São pessoas que deveriam estar servindo à sociedade, mas que tomam atitudes de quem acha que manda na sociedade.
É quase impossível ter um diálogo saudável com um policial, seja militar, civil ou até mesmo um não-policial, um segurança de casa nocturna, por exemplo. É a lei da selva. A lei do mais forte. Me desafie e eu te quebro. Me desafie e eu te prendo. Me desafie e eu torno tua vida um inferno, te deixo sequelas para sempre.


É um absurdo. É inacreditável que eu ouça gente esclarecida, que eu leia comentários por aí na Internet, defendendo esse tipo de coisa medieval, arbitrária e esquizofrénica. 
Que o BENFICA não merece o titulo ,mas  essa escumalha e mesmo doente, só pode ..

 CARREGAAAAAAAAAAAAAAAAAAA BENFICAAAAAAAAAAAAAAAA

terça-feira, 18 de março de 2014

risos e lagrimas





Ironias... 
17 de Março de 2014


A 23.ª jornada, dado o leque de jogos que comporta(va) prometia trazer novidades importantes no topo da classificação. Disputado o clássico Sporting-FC Porto, o grande resultado é que os leões alargaram para cinco pontos o fosso que os separa dos azuis e brancos e, quando faltam apenas 7 jornadas até ao fim do campeonato, só uma catástrofe de assinaláveis proporções retirará ao Sporting a possibilidade da entrada directa na Liga dos Campeões. Uma situação que, a concretizar-se, constituirá um grande feito nos anais leoninos se considerarmos as expectativas da generalidade dos observadores e dos próprios responsáveis leoninos que estariam longe, muito longe, de prever tal desfecho. 

Pena foi que o resultado favorável obtido derivasse de mais uma arbitragem à Pedro Proença e respectivos auxiliares. Como diriam os mais cáusticos, valeu a pena o choradinho ou o choro compulsivo se assim o quiserem. Não há a menor dúvida de que o melhor árbitro português tem, amiúde, o azar de ficar ligado àadulteração de resultados seja por acção ou omissão que logo por coincidência tem uma influência decisiva no desenrolar de jogos que decidem (ou podem vir a decidir) questões importantes. E na de ontem estávamos a falar da bagatela de 7,8 milhões de euros directos. Minudências… 

São já incontáveis os erros decisivos atribuíveis a Pedro Proença que prossegue impávido e sereno nas suas diatribes arbitrais. Mas a realidade é que enquanto beneficiar de uma auréola de impunidade e de uma certa comunicação social que por sistema suaviza os seus erros, vai certamente continuar a fazer das suasnas provas internas, o que significa que as suas magníficas exibições e os seus festivais de apito ainda se vão prolongar por mais dois longos anos. Para mal dos adeptos do futebol e dos clubes com o Benfica à cabeça como uma das suas vítimas preferidas. 

Mantemos a posição de que não está (nem pode estar) em causa o direito de um árbitro julgar um ou mais lances erradamente durante um desafio. Todos sabemos (ou pelo menos imaginamos) quão difícil é ajuizar determinadas situações em velocidade normal quando por vezes nem sequer a televisão com imagens ao ralenti consegue desfazer as dúvidas com precisão. Mas o sistemático envolvimento de Pedro Proença em lances decisivos que decidem jogos importantes e até campeonatos, é estranho e dá que pensar devido à proliferação de acasos e coincidências que polvilham as suas actuações nesses jogos. E a suaexibição de ontem num jogo que poderia ajudar a clarificar o importante 2.º lugar fala por si. 

O Sporting, com razões legítimas, tem vindo a exprimir a sua indignação face às arbitragens. É compreensível, ainda que no seu balanço tenham ficado por assinalar as que favoreceram o seu emblema. As manifestações recheadas de intenso folclore e que atingiram o auge ontem antes do jogo com o envolvimento de algumas figuras gradas do universo leonino, fizeram crer aos mais desatentos de que os principais adversários do Sporting não são as equipas suas concorrentes mas sim as equipas de arbitragem. Qualquer adepto desconfiado diria que seria um exagero, para não falar dos mal intencionados que interpretariam as várias acções levadas a cabo pelo clube de Alvalade como manobras de pressão e de intimidação. E ontem, após o jogo, não faltaram certamente os que habituados a esse tipo de estratégias concluiram que afinal tinham razão, muito embora nos mentideros conste que Proença é impermeável a pressões… 

Para concluir mais uma etapa ilustrativa do que é actualmente o futebol português, estamos em crer que as imagens finais em directo de um Bruno de Carvalho eufórico como nunca o vimos a puxar pelos adeptos leoninos em êxtase, poderá indiciar uma nova fase de prosperidade na vida desportiva leonina. Não deixa no entanto de ser paradoxal que às acentuadas doses de euforia registadas no anfiteatro leonino estejam associados de forma marcante, factos e incidências tão intensamente combatidos antes do jogo. Este mundo é mesmo irónico… Será entretanto que iremos ter um interlúdio na indignação leonina e Bruno de Carvalho irá declarar publicamente que afinal o Sporting também é beneficiado? 

obs: mais um txt de excelente nivel linguistico



por : k

domingo, 5 de janeiro de 2014

Obrigado Eusebio ..ate sempre

Ninguém morre quando permanece vivo no coração !
 
 
Os Benfiquistas  jamais te esquecerão
 
 


 
O Pantera Negra, A Pérola Negra ou O Rei em Portugal


EUSEBIOOOOOOOOO, SEMPREEEEEEEEE...

 

É ATE SEMPRE EUSEBIO ......  SEMPRE ..





Eusébio da Silva Ferreira (Lourenço Marques, 25 de janeiro de 1942 Lisboa, 5 de janeiro de 20141 ), conhecido simplesmente por Eusébio, foi um futebolista português nascido no Bairro de Mafalala, Lourenço Marques, atual Maputo, Moçambique2 . É considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos pela IFFHS, especialistas e fãs.

Eusébio ajudou a Seleção Nacional Portuguesa a alcançar o terceiro lugar no Campeonato do Mundo de 1966, sendo o maior marcador da competição (recebendo a Bota de Ouro), com nove golos (seis dos quais foram marcados em Goodison Park) e tendo recebido a Bola de Bronze. Ganhou a Bola de Ouro em 1965 e ficou em segundo lugar na atribuição da mesma em 1962 e 1966. Eusébio jogou pelo Sport Lisboa e Benfica 15 dos seus 22 anos como jogador de futebol, sendo associado principalmente ao clube português, e é o melhor marcador de sempre da equipa, com 638 golos em 614 jogos oficiais. No Benfica ganhou 11 Campeonatos Nacionais (1960-1961, 1962-1963, 1963-1964, 1964-1965, 1966-1967, 1967-1968, 1968-1969, 1970-1971, 1971-1972, 1972-1973 e 1974-1975), 5 Taças de Portugal (1961-1962, 1963-1964, 1968-1969, 1969-1970 e 1971-1972), 1 Taça dos Campeões Europeus (1961-1962) e ajudou a alcançar mais três finais da Taça dos Campeões Europeus (1962-1963, 1964-1965 e 1967-1968). Foi o maior marcador da Taça dos Campeões Europeus em 1965, 1966 e 1968. Ganhou ainda a Bola de Prata sete vezes (recorde nacional) em 1964, 1965, 1966, 1967, 1968, 1970 e 1973. Foi o primeiro jogador a ganhar a Bota de Ouro, em 1968, façanha que mais tarde repetiu em 1973.

Apelidado de O Pantera Negra, A Pérola Negra ou O Rei em Portugal, Eusébio marcou 733 golos em 745 jogos oficiais na sua carreira. Era conhecido pela sua velocidade, técnica, atleticismo e pelo seu poderoso e preciso remate de pé direito, tornando-o num prolífico goleador e num dos melhores marcadores de livres de sempre. É considerado o melhor futebolista de sempre do Benfica e de Portugal e um dos primeiros avançados de classe mundial africanos. Apesar de ter nascido em Moçambique, Eusébio só poderia jogar pela Seleção Portuguesa, como Matateu e Mário Coluna, entre outros, antes dele, já que o país africano era considerado um território ultramarino de Portugal e os seus habitantes eram considerados portugueses.

O nome de Eusébio aparece muitas vezes nas listas e votações de melhores jogadores de futebol de sempre feitas pelos críticos de futebol e fãs. Foi eleito o nono melhor jogador de futebol do século XX numa pesquisa realizada pela IFFHS3 , faz parte da lista dos 50 melhores jogadores de todos os tempos do Planète Foot4 , ficou no 8º lugar da lista "Os melhores do século XX" elaborada pela revista Placar5 e foi eleito o décimo melhor jogador de futebol do século XX numa pesquisa realizada pela revista World Soccer6 . Pelé nomeou Eusébio como um dos 125 melhores jogadores de futebol vivos na sua lista FIFA 100, elaborada em 2004. Eusébio ficou em sétimo lugar na votação online para o Jubileu de Ouro da UEFA. Em Novembro de 2003, para comemorar o Jubileu da UEFA, foi escolhido como o jogador de ouro de Portugal pela Federação Portuguesa de Futebol como o seu melhor jogador dos últimos 50 anos.

Desde que se retirou, Eusébio tem sido um embaixador de futebol e é um dos rostos mais conhecidos do desporto. Eusébio é muitas vezes elogiado pelo seu conhecido fair-play e humildade, até mesmo pelos adversários. Foram realizadas várias homenagens por parte da FIFA, da UEFA, da Federação Portuguesa de Futebol e do Benfica em sua honra. O ex-jogador do Benfica, da Seleção Portuguesa, e amigo, António Simões, reconhece a sua influência no Benfica e disse: "Com Eusébio talvez pudéssemos ser tri-campeões europeus, sem ele talvez pudéssemos ganhar o campeonato".

Nunca jamais te esqueceremos ....EUSEBIO....... nuncaaaaaa..

descanse em Paz

VIVA O S.L.BENFICA